Posts com Tag ‘UOL’

Direto do blog Bloody Pop:

Sim, o Beirut vem ao Brasil e a turnê vai passar por 3 cidades (Salvador, São Paulo e Rio de Janeiro) em 5 datas, quem informa é o Uol. Os soteropolitanos verão Zach Condon e sua trupe nos dias 04 e 05 de setembro no Teatro Castro Alves, parte do Panorama Percussivo Mnudial[sic]. No Rio, os show acontecem no Teatro Oi Casa Grande nos dias 08 e 09. A turnê aparentemente termina na capital paulista no dia 11 no Via Funchal, mas como o boato original ainda falava em Recife e por esses dias rolará por lá o No Ar Coquetel Molotov, eu não descartaria a possibilidade.

Pra entrar no clima, você pode acessar o site do Beirut e baixar gratuitamente a faixa nova (valeu, filopucpos!), A Sunday Smile, do disco The Flying Club Cup (gravadora Ba Da Bing!, 2007). É só clicar. Não precisa nem se cadastrar, nem nada. A seguir, a faixa que estava na abertura da série Capitu, da TV Globo, e fez a fama dos caras por aqui. A música se chama Elephant Gun e o clipe é sensacional:

7430672Se você pretende baixar ou passar adiante algum arquivo de áudio neste fim de semana, leia primeiro este post. É que uma mãe de família chamada Jammie Thomas-Rasset (foto), de 32 anos, foi condenada a pagar US$ 1,9 milhão (mais de R$ 3,7 milhões) por ter compartilhado pela internet – pasmem – duas dúzias de arquivos músicais, dentre eles, canções do Green Day e da Sheryl Crow.

A decisão do júri de Minnesota (EUA) favorece, claro, um grupo de gravadoras (Sony, BMI, Universal e Warner) e foi considerada “ridícula” pela ré – e por nós aqui desta LIXEIRA DO POP também. Jammie, que tem quatro filhos, acrescentou: “Sou uma mãe, com pouca grana, então não vou me preoucupar com isso agora” e não deixou claro se vai recorrer da sentença. A sempre inoportuna Associação Americana da Indústria das Gravadoras (RIAA) ainda quer mais. De acordo com o órgão, a moça teria feito upload ilegal de mais de 1.700 músicas para o software de compartilhamento de arquivos KaZaA. Detalhe: este é apenas um dos mais de 30 mil processos por direitos autorais movidos pela RIAA.

Jammie alega que só fez isso porque é muito fã de música. Só tem que é a segunda vez que a RIAA leva esta mesma dona pra Justiça.  O julgamento anterior acabou sem veredito. Sapequinha essa Jammie também, né? Custava dar um tempo?

Fato é que a gente sempre repete aqui: as gravadoras perderam o controle e vão afundar numa crise sem precedentes, porque nunca se adaptam ao mercado. Sempre esperam que o mercado se adapte a elas. O problema é que a internet democratizou a produção cultural de tal forma que é praticamente impossível você produzir algo somente seu. Palavra de ordem no mundo digital neste começo de século: compartilhar. Mais cedo ou mais tarde eles entenderão isso. Ao que tudo indica, será mais tarde. A propósito, parece que o colunista de TV do UOL, Ricardo Feltrin (Ooops!), concorda com a gente:

Terminamos com perguntas:

1 – Essa grana TEM de ir TODA para os artistas, uma vez que o debate é em torno de DIREITOS AUTORAIS e não do lucro das gravadoras. Você acha que os artistas vão ganhar dinheiro com estas indenizações?
2 – Onde é que arranjaram essas músicas tão caras, gente? 24 faixas a quase US$ 2 milhões?
3 – Como faz agora, que a mãe de família não pode pagar a multa?
4 – Quando é que as gravadoras vão se tocar que o modelo de negócios de 20 anos atrás já não se aplica mais?