Posts com Tag ‘strokes’

Ctrl+C, Ctrl+V do site da MTV:

As 20 piores bandas da década: Jonas Brothers, Tokio Hotel e Maroon 5 estão na lista

O conceituado site Gigwise fez uma justa lista com as 20 piores bandas da década atual. Entre os nomes que figuram na parada estão Jonas Brothers, Tokio Hotel, The Script, Sum 41 e The Darkness.
O trio Jonas Brothers e a turma do Tokio Hotel: Eles estão entre os piores grupos
As justificativas vão desde o vocalista chato a pior vestuário, passando também por letras ridiculas e melodias repetitivas. Sem esquecer do fraco desempenho nas paradas de sucessos e o nipe dos fãs.  Tá! Tem algumas bandas que não merecem fazer parte da lista, mas tem outras…Enfim, segue o top.
1. Jonas Brothers
2. brokeNCYDE
3. Blazin’ Squad
4. Tokio Hotel
5. Scouting For Girls
6. Busted
7. Towers Of London
8. The Script
9. Metro Station
10. One True Voice
11. Hot Leg
12. The Twang
13. I Set My Friends On Fire
14. Theory Of A Deadman
15. Razorlight
16. Hard-Fi
17. Maroon 5
18. The Pigeon Detectives
19. Sum 41
20. The Darkness

O conceituado site Gigwise fez uma justa lista com as 20 piores bandas da década atual. Entre os nomes que figuram na parada estão Jonas Brothers, Tokio Hotel, The Script, Sum 41 e The Darkness.

tokio-hotel-jonas-brothersO trio Jonas Brothers e a turma do Tokio Hotel: Eles estão entre os piores grupos

As justificativas vão desde o vocalista chato a pior vestuário, passando também por letras ridiculas e melodias repetitivas. Sem esquecer do fraco desempenho nas paradas de sucessos e o nipe dos fãs.  Tá! Tem algumas bandas que não merecem fazer parte da lista, mas tem outras…Enfim, segue o top.

1. Jonas Brothers
2. brokeNCYDE
3. Blazin’ Squad
4. Tokio Hotel
5. Scouting For Girls
6. Busted
7. Towers Of London
8. The Script
9. Metro Station
10. One True Voice
11. Hot Leg
12. The Twang
13. I Set My Friends On Fire
14. Theory Of A Deadman
15. Razorlight
16. Hard-Fi
17. Maroon 5
18. The Pigeon Detectives
19. Sum 41
20. The Darkness

Ok, não concordamos com as presenças de Darkness (“estilo” do ex-vocal Justin Hawkins), Sum 41 (encontrou a fórmula do sucesso e desde então vive de repeti-la), Pigeon Detective (além de serem uma cópia dos Strokes, têm o pior nome de banda da década), Maroon 5 (banda chata, com letras grudentas e vocalista sendo assediado o tempo todo pelas fãs), Hard-Fi (as letras falam de coisas reais e não combinam com os encartes dos discos) e Razorlight (o frontman Johnny Borell é muito egocêntrico; é o “Sting da década”), principalmente por causa das justificativas descabidas, que você leu aí entre parênteses.

Se quiser conferir todas as justificativas, em inglês, visite o site do Gigwise. Se não gostou da lista ou se tiver mais alguém para acrescentar, deixe seu comentário. Quem sabe no final do ano a gente também não prepara uma listinha cabulosa de bandas ruins?

Para tuitar: http://wp.me/pdGj4-El

Sabe que os gringos são capazes de fazer qualquer coisa – e quando eu digo QUALQUER COISA é qualquer coisa mesmo! – pra ajudar entidades beneficentes. Pois bem. Ontem à noite, o produtor Mark Ronson fazia um DJ set em prol de uma instituição que cuida de crianças com câncer, tocando músicas da sua grande amiga Lily Allen, Strokes, Jay-Z, Sly And The Family Stone e tal, quando de repente…

bethdittoSim, senhores! Quando a cantora Beth Ditto, vocalista do Gossip, subiu ao palco, se agarrou num ferro e fez um número de pole dance (não sabe o que é? Clique aqui). Repetindo: toda esta exuberância da foto aí em cima fez um número de pole dance em prol das crianças com câncer. Imagina…

Aqui no Brasil não tem isso; os gordos e feios são oprimidos. A gente, que não é gordo, nem feio, mas é solidário, lamenta de verdade!

ATUALIZAÇÃO:
Só pra não perder o gancho: dica de leitura no G1.

Perfect Symmetry

Perfect Symmetry

O trio inglês (Tim Rice-Oxley, no baixo, na guitarra e no vocal, Richard Hughes, na bateria e Tom Chaplin no vocal e na guitarra) lançou oficialmente na última segunda-feira (13) o disco Perfect Symmetry (Island Records), nas lojas da Europa. Trata-se de um petardo muito bem produzido, com sons maduros e que mostra uma evolução considerável na sonoridade da banda que passeava entre o modismo do indie rock e a melancolia do Coldplay.

Desta vez, arriscaram mais e deu certo. Por quê beber da fonte da banda de Chris Martin (Somewhere Only We Know, do disco de estréia Hopes and Fears, de 2004) se o U2 ainda está aí pra influenciar? Por quê apostar num som que parece Strokes (Is it Any Wonder?, do segundo álbum, Under the Iron Sea, de 2006) se você pode criar algo tão bom quanto?


Spiralling (radio edit)

Provavelmente foi nisso que eles pensaram quando decidiram fazer de Spiralling o single de lançamento, distribuído por alguns dias gratuitamente no site da banda. O som, animadíssimo, não lembrava de forma alguma aquela banda que, quando passou pelo Brasil, fazia sucesso com Crystal Ball. Em compensação, pras pistas, me parece melhor até que o já citado Is it Any Wonder?. A versão “álbum” de Spiralling, inclusive, soa tão boa e tão “pista” quanto a do single, apesar de ter 51 segundos de música a mais. Na verdade, parece que são duas músicas diferentes, já que a versão completa não fica parecendo a “radio edit com mais instrumentais”. Isso é ótimo!

Claro que Spiralling faz as honras da casa e abre o CD, que logo depois baixa o bpm ao som de Lovers Are Losing, que, assim como Black Burning Heart, tocaria mole em qualquer lounge descolado na noitada. Da safra influenciada pelo U2, podemos citar a faixa-título, que é bem pop, You Don’t See Me, que é mais lentinha, com uma bateria calma, uma percussão de leve e um vocal que é a cara do Bono. Como eu gosto dos irlandeses, achei ótimo! O legal é que antes a gente ouvia algumas coisas do Keane e pensava: “é o Coldplay?” e agora pensamos: “parece U2, mas tem personalidade diferente; quem será?” Pretend That You’re Alone segue a mesma linha mais tranqüila.


Lovers Are Losing

Além de Spiralling, há outras duas faixas mais animadinhas – mas não tanto quanto ela: Better Than This, Again & Again, ambas com palminhas, e ainda You Haven’t Told Me Anything, que parece boa pra pistas alternativas, como a da Casa da Matriz, no Rio (mais precisamente aos sábados).

E, se o Keane decidiu agradar a todos os gostos dessa vez, é claro que rolam umas baladinhas lentinhas, que lembram os dois discos anteriores. Uma é Playing Along e a outra é Love is The End, que, adivinhe, fecha competentemente o CD.

Eis a lista de faixas do álbum Perfect Symmetry, previsto pra chegar às prateleiras brasileiras somente no dia 28 de outubro, mas disponível desde o dia 7 na internet:

1. Spiralling
2. Lovers are Losing
3. Better Than This
4. You Haven’t Told Me Anything
5. Perfect Symmetry
6. You Don’t See Me
7. Again & Again
8. Playing Along
9. Pretend That You’re Alone
10. Black Burning Heart
11. Love is The End

Sim, Lucas, você errou!