Posts com Tag ‘Sheryl Crow’

Eis que a gente – sempre ligado na CNN e no Gigwise (quando não está vendo Big Brother, Glee ou Two and a Half Men) – não viu que o Bono já havia se mobilizado pelas vítimas no Haiti e perguntou no Twitter onde ele estava.

A sempre querida Selma Boiron avisou que já havia falado sobre o Bono na quarta-feira (dia 20), no seu programa Rádio Café, na emissora carioca da rede Oi FM. Vamos ler a nota dela!

Vamos mandar um salve a tds os q, de alguma forma tem ajudado as vítimas do terremoto no Haiti. O DJ Jesus Luz q desfilou pela Ellus ontem na SPFW, tocou na festinha pós-desfile da marca e anunciou q a festa de hoje no Royal Club paulistano terá toda renda revertida em prol do Haiti. O evento de logo mais vai se chamar mto propriamente “Luz no Haiti”. Scarlett Johansson tb encontrou sua forma de ajudar o Haiti: está leiloando, pela internet, um encontro seu com o fã que der o melhor lance. E a lista de participantes no show Hope for Haiti q acontece sexta-feira com apresentação de George Clooney na TV americana não para de crescer! E, agora, ficou globalizado e o Coldplay confirmou em sua página oficial na web que também vai participar. O haitiano Wyclef Jean, Bruce Springsteen, Jennifer Hudson, Mary J.Blige, Shakira e Sting se apresentam em Nova York. Alicia Keys, Christina Aguilera, Dave Matthews, John Legend, Justin Timberlake, Stevie Wonder, Taylor Swift e um grupo q reúne Sheryl Crow e Kid Rock se apresentam em Los Angeles. E, os britânicos Bono e The Edge do U2 se unem a Jay-Z e Rihanna em Londres onde tb se apresenta o Coldplay. No dia seguinte, 23 de janeiro, todo o material registrado estará à venda pela internet e a renda revertida às vítimas do terremoto do Haiti.

Então é isso, pessoal. Todo mundo se mobilizando pelo Haiti e a gente do LIXEIRA DO POP, que não pode fazer muita coisa, espera de coração que os países ricos façam a sua parte: perdoem as dívidas desses países muito pobres, para que possam ter um mínimo de infraestrutura para se prevenir de catástrofes e do caos social causado pela extrema miséria. É bonito ajudar depois, mas dezenas de milhares de vidas já se perderam. A ajuda mais importante é aquela que ajuda a prevenir catástrofes como esta.

Ah, os shows de hoje serão transmitidos por quatro emissoras de TV e, ao menos a CNN deve transmitir pra gente aqui, via TV a cabo.

De acordo com a Folha Online, “a MTV exibe hoje, a partir das 23h, o Teleton ‘Hope for Haiti’, evento mundial para arrecadar fundos para o país caribenho atingido por terremotos. Justin Timberlake, Rihanna, Shakira e Coldplay estão entre os shows confirmados”.

Tuíte-nos: http://wp.me/pdGj4-Fo

7430672Se você pretende baixar ou passar adiante algum arquivo de áudio neste fim de semana, leia primeiro este post. É que uma mãe de família chamada Jammie Thomas-Rasset (foto), de 32 anos, foi condenada a pagar US$ 1,9 milhão (mais de R$ 3,7 milhões) por ter compartilhado pela internet – pasmem – duas dúzias de arquivos músicais, dentre eles, canções do Green Day e da Sheryl Crow.

A decisão do júri de Minnesota (EUA) favorece, claro, um grupo de gravadoras (Sony, BMI, Universal e Warner) e foi considerada “ridícula” pela ré – e por nós aqui desta LIXEIRA DO POP também. Jammie, que tem quatro filhos, acrescentou: “Sou uma mãe, com pouca grana, então não vou me preoucupar com isso agora” e não deixou claro se vai recorrer da sentença. A sempre inoportuna Associação Americana da Indústria das Gravadoras (RIAA) ainda quer mais. De acordo com o órgão, a moça teria feito upload ilegal de mais de 1.700 músicas para o software de compartilhamento de arquivos KaZaA. Detalhe: este é apenas um dos mais de 30 mil processos por direitos autorais movidos pela RIAA.

Jammie alega que só fez isso porque é muito fã de música. Só tem que é a segunda vez que a RIAA leva esta mesma dona pra Justiça.  O julgamento anterior acabou sem veredito. Sapequinha essa Jammie também, né? Custava dar um tempo?

Fato é que a gente sempre repete aqui: as gravadoras perderam o controle e vão afundar numa crise sem precedentes, porque nunca se adaptam ao mercado. Sempre esperam que o mercado se adapte a elas. O problema é que a internet democratizou a produção cultural de tal forma que é praticamente impossível você produzir algo somente seu. Palavra de ordem no mundo digital neste começo de século: compartilhar. Mais cedo ou mais tarde eles entenderão isso. Ao que tudo indica, será mais tarde. A propósito, parece que o colunista de TV do UOL, Ricardo Feltrin (Ooops!), concorda com a gente:

Terminamos com perguntas:

1 – Essa grana TEM de ir TODA para os artistas, uma vez que o debate é em torno de DIREITOS AUTORAIS e não do lucro das gravadoras. Você acha que os artistas vão ganhar dinheiro com estas indenizações?
2 – Onde é que arranjaram essas músicas tão caras, gente? 24 faixas a quase US$ 2 milhões?
3 – Como faz agora, que a mãe de família não pode pagar a multa?
4 – Quando é que as gravadoras vão se tocar que o modelo de negócios de 20 anos atrás já não se aplica mais?