Posts com Tag ‘Rio de Janeiro’

Na noite em que Brasília conheceu seu novo governador – o quinto, somente este ano – 30 mil pessoas ocuparam a área externa do Museu da República para assistir à abertura da etapa brasileira da tour Wait For Me. A capital cinquentenária está em clima de festa e o show, no último sábado (17), teve entrada franca. O passe da área vip custou R$ 13, revertidos para compra de mudas de ávores nativas do cerrado, para reflorestamento. A iniciativa faz sentido quando o artista em questão também adere à causa. Só tem um detalhe: a área vip foi projetada para tantas pessoas, que quem não pagou teve de se contentar com um palco a mais de 100 metros de distância, com um bar, uma torre de som e duas grades de isolamento na frente.

Quem assistiu à passagem da excursão Hotel (2005) por aqui vai notar que, apesar de o álbum Wait For Me (Little Idiot Records, 2009) soar etéreo demais para um show, desta vez a gig vem com mais energia. O advogado Rodrigo Machado, de 29 anos, considerou esse show “mais dançante, mais animado do que o anterior”, que ele viu no Rio. Mas gongou a vocalista Leela James, ao compará-la com a cantora Laura Dawn: “A anterior tinha uma voz hipnotizante, que esta não tem”. Leela traz, no entanto, uma espontaneidade que, até quando dá errado, dá certo. Por exemplo, quando a introdução pré-programada de Disco Lies entrou, mas a vocal deu uma vacilada, mostrou ao público que a base até poderia ser playback, mas a voz era ao vivo.

Dos sucessos da carreira, quase todos estavam no setlist: Porcelain (dedicada a Brasília), Bodyrock, Go, We Are All Made Of Stars, Why Does My Heart Feel So Bad, In My Heart, Flower, Natural Blues, In This World, Raining Again e Disco Lies. Muita gente na plateia pediu Lift Me Up e Beautiful, mas não rolaram. Das novas, a banda tocou A Seated Night (que abre os shows dessa turnê), Mistake e Pale Horses. Normalmente cada setlist inclui apenas um cover, mas em Brasília foram dois: Walk On The Wild Side, do Lou Reed, e Whole Lotta Love, do Led.

O encerramento, com jeitão de grand finale, foi ao som de Feeling So Real, que começou como bossa nova.

Fácil pra quem viu de graça falar, mas fica a dica para o pessoal de Porto Alegre (20), Curitiba (21), São Paulo (23) e Rio de Janeiro (24), que vai desembolsar entre R$ 80 e R$ 400 pela entrada. Mas vale, viu?

Setlist – Moby em Brasília (17/4)
A Seated Night
Extreme Ways
In My Heart
Mistake
Flower
Bodyrock
Go
Why Does My Heart Feel So Bad?
Pale Horses
Porcelain
We Are All Made Of Stars
Walk on the Wild Side (Lou Reed cover)
Natural Blues
Raining Again
Disco Lies
The Stars
Bis:
In This World
Honey
Whole Lotta Love (Led Zeppelin cover)
Feeling So Real
Esse texto foi publicado originalmente no blog do Rio Fanzine (e eu esqueci de pedir pra linkar pra cá… hahaha).

Nesta madrugada de quarta para quinta-feira, a partir de 0h30, dentro do Fiz MTV, a premiére televisiva do curta-doc Yes, we have Kombis, produzido pela crew Eu e Os Meus, da nossa GARI Natalia Weber e grande elenco (ok! Nem tããão grande…).

O curta fala sobre a vida no subúrbio carioca: Avenida Brasil, Igreja da Penha, Bonsucesso e Mercadão de Madureira, mostrados por um ângulo bem diferente do que se fosse feito pela Regina Casé. Ou seja: cerveja! Pra completar, você vê antes aqui:

Mas ver pela TV – esse maravilhoso tubinho de raios catódicos – tem uma vibe muito mais bacana. Eu vou assistir! Partiu?

Tuíte: http://wp.me/pdGj4-FJ

Saca a vibração do público (o moleque griiita):

Foi o top DJ David Guetta na Rio Music Conference do ano passado, tocando dois hits do verão 2008/2009. Esse ano tem mais. Pra quem não curte o combinado samba-pagode-axé-funk e variações no Carnaval e, ainda assim, vai passar o feriado no Rio de Janeiro, essa é A boa!

Ah, é melhor correr, porque o segundo lote (mulheres: R$ 100 / homens: R$ 140) está acabando. #ficadica

Tuíte-nos: http://wp.me/pdGj4-FC

Direto do blog Bloody Pop:

Sim, o Beirut vem ao Brasil e a turnê vai passar por 3 cidades (Salvador, São Paulo e Rio de Janeiro) em 5 datas, quem informa é o Uol. Os soteropolitanos verão Zach Condon e sua trupe nos dias 04 e 05 de setembro no Teatro Castro Alves, parte do Panorama Percussivo Mnudial[sic]. No Rio, os show acontecem no Teatro Oi Casa Grande nos dias 08 e 09. A turnê aparentemente termina na capital paulista no dia 11 no Via Funchal, mas como o boato original ainda falava em Recife e por esses dias rolará por lá o No Ar Coquetel Molotov, eu não descartaria a possibilidade.

Pra entrar no clima, você pode acessar o site do Beirut e baixar gratuitamente a faixa nova (valeu, filopucpos!), A Sunday Smile, do disco The Flying Club Cup (gravadora Ba Da Bing!, 2007). É só clicar. Não precisa nem se cadastrar, nem nada. A seguir, a faixa que estava na abertura da série Capitu, da TV Globo, e fez a fama dos caras por aqui. A música se chama Elephant Gun e o clipe é sensacional:

…mas hoje faz dois anos da despedida oficial do Los Hermanos. De lá pra cá,  eles reapareceram no Just a Fest, abrindo o show do Radiohead. E mais o quê? Uma carreira solo do Camelo? Little Joy com o Amarante buscando uma carreira internacional? Não! Pra mim, não foi uma boa ideia.

Conheci a banda ouvindo Anna Júlia como quase qualquer brasileiro. Num amigo oculto, um amigo meu ganhou o primeiro CD deles. A capa com um “bate-bola” (personagem clássico de Carnaval)  me chamou atenção. Musicalmente falando, só fui conhecer mesmo no Bloco do Eu Sozinho (Abril Music, 2001) anos depois. E a partir daí foi só alegria. Pra mim, é o melhor disco deles. O que provou que dá pra fazer música de qualidade, pop mas sem ser igual a todo mundo. Me reencontrei com o primeiro álbum e vi que era excelente também. Pronto, nasceu, pra mim, uma das minhas bandas preferidas.

O estilo alternativo que cultivou vários fãs (e inimigos também, claro) faz falta nas bandas de hoje em dia.  Muitos grupos bons surgiram mas nenhum que pareça ocupar a lacuna deixada pelos barbudos. Carnaval, circo, romantismo, poesia e pop. Tudo junto em uma banda só.  Na minha opinião, uma bela mistura. Dizem que é deprê . Sinceramente , eles têm música pra todos os gostos. Pierrot, por exemplo,  é deprê?  Acho que não.

O show que marcou a despedida oficial foi uma prova de que os fãs são leais à banda. Fizeram da Fundição Progresso (Lapa, Rio de Janeiro) um cenário perfeito para a devoção. Não é nada do tipo “a religião Los Hermanos” como rolava com a Legião Urbana. Quem nunca cantou Anna Júlia alto e sem vergonha disso?  Quem nunca defendeu com unhas e dentes os Hermanos quando falavam mal? Então, essas pessoas cantaram todas as letras, enfeitaram o show e fizeram das noites de despedida, shows inesquecíveis. O DVD ta aí pra mostrar isso.

Se você sempre quis conhecer Los Hermanos, mas tinha vergonha, agora já pode. A banda acabou (será?) e é cult gostar de coisas em extinção. Agora se você é fã mesmo, infelizmente, parece que o fim é real mas nos resta ainda a esperança, os CDs, os DVDs, mp3, YouTube…

A seguir, uma playlist de fã, com os principais singles de cada disco e muitas versões ao vivo, alternativas, em animação…

capa_lhLos Hermanos (1999)
Anna Júlia
Quem Sabe?
Pierrot
Azedume
Primavera

capa_blocoBloco do Eu Sozinho (2001)
Todo Carnaval Tem Seu Fim
A Flor
Retrato Pra Iaiá
Casa Pré-Fabricada
Sentimental
Fingi na Hora Rir

capa_ventura2Ventura (2003)
Samba a Dois
O Vencedor
O Último Romance
Cara Estranho
Além do Que Se Vê

capa_44 (2005)
Paquetá
Morena
O Vento
Condicional

.

moveis_coloniais_de_acajuEis que diretamente de Brasília surge o mais novo álbum do Móveis Coloniais de Acaju. A maior banda-revelação do país (pelo menos em número: DEZ integrantes) lança o seu ska e o seu swing em C_MPL_TE (Trama, 2009). Primeiramente , foi disponibilizado virtualmente pelo TramaVirtual mas por motivos do além, a dificuldade era tanta que tive que recorrer aos métodos alternativos para ter acesso a obra (leia-se comunidade Discografias (O Retorno)). Mas valeu a pena.

O trabalho produzido por Carlos Miranda (jurado do programa Astros, do SBT) traz um cuidado maior com a sonoridade da banda. É inegável que a qualidade técnica é melhor que no Idem (2005) mas, particularmente, não achei tão bom, musicalmente falando.  Apesar de manter o groove e as letras que cativaram os fãs antenados e que não ligam para a grande mídia, ainda faltou algo. Tipo Sazon, sabe? Mas vale a pena comprar, baixar ou ir ao show sem mesmo conhecer o CD ou a banda. Você não vai se arrepender. Destaque para as faixas Sem Palavras, Lista de Casamento e Cão–guia . Realmente são músicas boas e farão sucesso nos shows.

Falando nisso, amanhã, sábado (6), tem show de lançamento de C_MPL_TE em terras cariocas. A performance do Móveis faz parte das atrações do Viradão Cultural do Rio e rola no Circo Voador (Rua dos Arcos, s/n, Lapa), a partir das 22h, com ingressos a R$ 40 (inteira) e só para maiores. Eu já tô com o meu aqui na mão. E você?

Faixas de C_MPL_TE:

moveis_c_mpl_te11. Adeus
2. Lista de Casamento
3. O Tempo
4. Cão Guia
5. Descomplica
6. Café com Leite
7. Pra Manter ou Mudar (A do Piano)
8. Bem Natural
9. Falso Retrato (U-hu)
10. Cheia de Manha
11. Sem Palavras
12. Indiferença

SERÃO 48 HORAS DE MANIFESTAÇÕES ARTÍSTICAS, EM EVENTO INSPIRADO NA ‘VIRADA’ PAULISTANA. DESTACAMOS OS SHOWS MUSICAIS

O Rio de Janeiro vai ferver neste fim de semana. Se é que isso é possível, com o frio que está fazendo. A Prefeitura do Rio programou uma série de atrações (a maior parte gratuita) e incorporou outras que já estavam marcadas (quase todas pagas) para atingir o objetivo de ter 48 horas ininterruptas de atividades culturais pela cidade. A festança se baseia na Virada Cultural paulistana, que ocorre há cinco anos.

carlos_lyraApesar de existem atrações programadas desde o início da tarde, o Viradão Cultural só começa oficialmente às 21h desta sexta (5), com a bossa nova de Carlos Lyra, ao vivo e com entrada franca, na Praça 15, no Centro. No mesmo instante, Sandra de Sá homenageia Tim Maia, junto com a Banda Original, Hildon e Tony Garrido, na Lona Cultural de Santa Cruz (Rua 12 – Praça do Lote, 219 – Cj. Guandu 1); o Simpatia É Quase Amor leva o Carnaval pra Lona de Campo Grande (Estrada Rio do “A”, 220); e a Lona de Vista Alegre (Av. São Félix, 601, Parque Orlando Bernardes) recebe um tributo a Wilson Simonal, com direito a Elza Soares e Farofa Carioca; enquanto isso, no Leme, Marina Lima e Luiza Possi fazem dobradinha no palco sobre rodas; ainda na noite de sexta tem Dudu Nobre e Beth Carvalho na Praça 15  e Rita Ribeiro na Lona de Bangu (Praça 1° de Maio, s/n). Tudo gratuito. Na sexta, vale a pena pagar R$ 5 + 1kg de alimento não-perecível pra conferir Ganeshas e Tom Zé no Galpão Aplauso (Rua General Luís Mendes de Moraes, 50 – Santo Cristo), a partir das 21h.

adriana_calcanhottoSábado (6) é dia de chegar às 13h ao Teatro Carlos Gomes (Praça Tiradentes, s/n, Centro) para garantir o ingresso (gratuito, porém cada pessoa só pode pegar um bilhete) para o show da Adriana Calcanhotto, que começa uma hora depois. Mesmo esquema e horário pra quem quiser ver Bena Lobo na Sala Baden Powell (Av. Nossa Senhora de Copacabana, 360 – Copa). Já quem curte funk vai poder ver Perla, às 15h, na Praça 15, enquanto os saudosistas estarão no Planetário (Rua Vice-Governador Ruben Bernardo, 100 – Gávea) vendo o Planeta 80, com Biafra(!), Rosana(!!), Sullivan(!?) e Dalton(?!). Agora, os funkeiros saudosistas devem marcar nas agendas: 16h tem os MCs Marcinho (dos “clássicos” Atrevida, Glamourosa, Pavaroti – ê Bernardo! -, Rap do Solitário…), Cidinho (Rap das Armas, Estrada da Posse, Rap da Cidade de Deus e Rap da Felicidade) e Cacau. Boa sorte a quem for!

elbaramalhoAinda no sábado, o malandro Dicró leva o Piscinão de Ramos para o Teatro Café Pequeno (Av. Ataulfo de Paiva, 269), no Leblon, às 16h, e um encontro de sambistas anima o sempre espetacular pôr-do-sol no Arpoador, com direito a Monarco, Dona Ivone Lara, Noca da Portela, Velha Guarda Musical da Vila Isabel e muitos outros, a partir das 17h. Pra quem faz questão de festa junina, vai rolar uma na Rua do Mercado, no Centro, a partir das 18h. No mesmo horário, a galera antenada e destemida sobre Santa Teresa pra ver o evento VJ Nights, com dois VJs e dois DJs, entre eles Marcelinho da Lua, no belíssimo e inseguro Parque das Ruínas (Rua Murtinho Nobre, 169), ou, então, segue para a Batalha de DJs na Praça Tiradentes, no Centro. Às 20h tem Elba Ramalho na Lona de Realengo (Av. Marechal Fontenelle, 5000) e às 21h é Zélia Duncan se apresenta ali perto, na Praça da Guilherme, em Bangu, antes do Moska (23h) e da Blitz (1h). Também praquelas bandas de Bangu, mas às 22h, os angolanos do Bwèmix apresentam o famoso kuduro. De volta à Praça 15, às 22h tem o Hermano mais chatinho, Marcelo Camelo. Uma hora e meia depois Mart’nália toma conta do mesmo palco.

lulusantosPra quem ainda resistir, o domingão (7) do Viradãoô lôco, meu! – tem mistura de música e teatro com o grupo Be Bossa Kids às 10h na Quinta da Boavista. No mesmo lugar, às 13h, é a vez do Bossacucanova e, depois, Eletrossamba (15h). Às 14h, dois combos misturam tudo: uma banda de jazz faz improvisações com participação de Dudu Nobre, repentistas nordestinos e rappers, degustando feijoada no Galpão Aplauso (o ingresso custa uma lata de leite em pó), enquanto em Santa Teresa tem roda de chorinho com os grupos Panela di Barro (Pixinguinha), Balança Teresa (Ataulfo Alves) e Trio Carioca (Villa-Lobos), no Centro Cultural Laurinda Santos Lobo (Rua Monte Alegre, 306). Já em Bangu, na Praça da Guilherme, tem show de Milton Nascimento às 17h. Uma hora depois Alceu Valença invade a quadra da Portela (Rua Clara Nunes, 81 – Madureira). Aí, vai começando o encerramento. Às 19h, Martinho da Vila se apresenta na Praça da Guilherme, onde o último show está marcado para as 21h, com O Rappa. O encerramento oficial será na Praça 15: tem Pedro Luís e A Parede às 19h e Lulu Santos às 21h.

São as nossas democráticas dicas. Para ver a programação completa e mais informações sobre o Viradão Cultural Carioca, acesse o site oficial: http://www.viradaocarioca.com.

Fim do mistério: segunda-feira que vem, dia 8, Selma Boiron estreia na locução do programa Rádio Café, na Oi FM do Rio de Janeiro. Ela ficará no ar das 8h às 11h, com notícias músicas, de tecnologia e de esportes, com transmissão exclusiva para o Rio, nos 102,9 MHz.

Bacana ver que, enquanto algumas rádios estão fechando, ainda existem empresários dispostos a investir no dial carioca. Existe a possibilidade de a grade local aumentar ainda mais. Todos nós torcemos por isso.

Boa estreia, Selma!

Os últimos minutos da rádio Antena 1 no Rio de Janeiro foram marcados pelo alto astral e elegância. Dizem que desde cedo as locutoras não deixaram a bola cair e eternizaram o domingo, 31 de maio, na lembrança dos ouvintes. Só escutei mesmo os últimos 15 minutos. A última faixa a rolar no ar (a rádio segue na internet: www.antena1rio.com.br) foi um medley dos Beatles, que, segundo a locutora, é a música mais pedida da história da Antena 1.

Virou meia-noite… Silêncio durante poucos segundos e entra a Nativa FM no ar, com uma programação light. Quem ligava o rádio naquela hora seria capaz de acreditar que a Antena 1 continuava no ar. Pelo menos até o primeiro pagode. Fim da música, discursinho rápido de apresentação da nova frequência. Objetividade e respeito pela rádio que acabou. Música.

Já nos 96,5 FM a Tupi entrava no ar com todo aquele reverb de AM. Olha, vai ser duro ouvir uma rádio em FM daquele jeito. Porque a própria CBN, que fez isso primeiro aqui no Rio, se adaptou e entrou em FM com jeito de FM. A Tupi entrou como AM, mesmo e dane-se. Como se não bastasse, ainda colocou um discurso dizendo que estavam todos muito orgulhosos e tal. Sinceramente, dá pra pensar que é uma boa a rádio poder pegar nos celulares e tocadores de mp3. No mais, não dá pra um radialista sentir orgulho de uma emissora que ocupa duas frequências, mas só tem uma equipe. Além disso, entrou no ar e precisou detonar uma rádio histórica.

blackheartinertiaO pessoal do site Incubus Brasil publicou na rede um link para a versão em alta qualidade do single novo dos caras. Junto com a faixa Black Heart Inertia, a capa do single (acima), no melhor estilo Incubus de ser, com uma ilustração simples, mas que não passa despercebida. Você pode baixar gratuitamente, graças ao Incubus Br, aqui. No videoclipe da música rola uma historinha meio que contando sobre um teste de elenco e tal. Parace que o vocal Brandon Boyd vai se dar bem, mas no final… Bom, melhor você ver:

Black Heart Inertia é uma das faixas inéditas do próximo disco do quinteto californiano. Será um álbum duplo, chamado Monuments and Melodies, com 13 “greatest hits”, 11 raridades e três faixas inéditas (veja a lista de músicas no final deste post). Além disso, quem adquirir o petardo legalmente vai ganhar um código para baixar mais de 500 (sim! QUINHENTOS) arquivos como outras raridades sonoras, vídeos e fotos do Incubus.

O petardo sai no dia 16 de junho (lá fora, pelo menos; o anterior, Light Grenades, chegou aqui com alguns meses de atraso, mesmo assim porque o grupo agendara show no Brasil; depois as gravadoras reclamam que os fãs fazem download e não esperam para comprar o disco) e já está disponível para pré-venda no site do Incubus. Enquanto espera o lançamento, os fãs podem contribuir com a Linha do Tempo Definitiva do Incubus. É assim: você clica neste link aí da Linha do Tempo e vai em “Become a contributor” (torne-se um contribuidor). Faz um cadastro e, assim que eles liberarem, você pode voltar ao site e publicar suas memórias, fotos, vídeos… Tudo o que você tiver guardado sobre os caras. Eu e um outro GARI, por exemplo, tivemos a grata oportunidade de presenciar o show que eles fizeram no dia 13 de outubro de 2007 aqui no Rio de Janeiro. Não registramos nenhuma imagem pra posteridade, porque provavelmente ficaria assim (a gente estava bem perto dessa pessoa que filmou):


Fate? Or something better? I could care less

Faixas de Monuments and Melodies:

Disco 1
1. Black Heart Inertia
2. Drive
3. Megalomaniac
4. Anna-Molly
5. Love Hurts
6. Wish You Were Here
7. Warning
8. Stellar
9. Talk Shows On Mute
10. Pardon Me
11. Dig
12. Oil And Water
13. Are You In?
14. Nice To Know You
15. Midnight Swim

Disco 2
1. Neither Of Us Can See
2. Look Alive
3. While All The Vultures Feed
4. Pantomime
5. Anything
6. Punch Drunk
7. Admiration
8. Martini
9. A Certain Shade Of Green (Acustica)
10. Monuments And Melodies
11. Let’s Go Crazy