Posts com Tag ‘ozzy osbourne’

A gente tá meio sem tempo. Deu pra notar, né? Mas demos uma pausa nos trabalhos diários pra vir aqui contar TUDO O QUE SABEMOS.

E o que sabemos? Que estão adiantadíssimas as negociações para trazer Ozzy Osbourne novamente ao Brasil. O Madman deve tocar além do eixo Rio-São Paulo. Brasília é uma forte candidata. Agora, sim, você entende que o título do post não faz referência a nenhum mineirim brasilêro (nem mineirim chilênnn, sô), mas ao Príncipe das Trevas mais boa praça que já vimos num reallity show:

Taí mais um motivo pra você, headbanger, bater a cabeça de felicidade, já que o Rock in Rio confirmou esta semana sua primeira atração: o Metallica.

Espalhaê: http://bit.ly/doylL9

Anúncios
O que dizer de mais uma sexta-feira 13? Sim, é a segunda do ano, já tá virando habituè, hein! Eu nem tenho parascavedecatriafobia… Que palavra bunitinha, né? É o medo específico de sexta-feira 13. Olha, eu acho que eu tenho mais medo dessa palavra…
Bom, esta Gari que vos escreve nasceu numa sexta-feira 13. Vai saber se é por isso que eu sou um tanto gauche na vida. Mamãe diz que estava um dia muito bonito, papai diz que eu nasci ruiva que nem a Rita Lee. Não sei se antes ou depois de passar mal por ter exagerado na comemoração. Acho que antes, porque só ele acha que eu nasci ruiva. Ou seja, foi um dia felizinho. Nenhum gato preto invadiu o hospital, nenhuma cadeira caiu na cabeça de ninguém.
Dezessete anos antes, em uma outra sexta-feira 13, um cenário realmente de terror… O governo militar do Brasil assinou o Ato Institucional nº 5, que suspendeu direitos e garantias políticas, decretou estado de sítio no país e deu poderes aos militares para fechar o Congresso. Linha dura! O Ato aumentou a censura e estabeleceu a censura prévia, que se estendia à música, ao teatro e ao cinema de assuntos de caráter político e de valores imorais.
Brabeza… mais detalhes, na iniciativa multimídia do Estadão, aqui.
Apesar dos pesares, a criatividade dos artistas brasileiros foi aflorada, já que eles precisavam seguir pelas linhas subliminares-subjetivas-subversivas para quebrar a coisa pelas bases e driblar os censores tapados. Mesmo assim, a censura levou ao exílio de vários artistas e intelectuais brasileiros, como o poeta Ferreira Gullar, o diretor de teatro José Celso Martinez Corrêa, além de Caetano Veloso, Gilberto Gil e Chico Buarque…
O que mais ocorreu em sextas-feiras 13? A saber:
– Fidel Castro nasceu numa sexta-feira 13, em agosto de 1926. (Sexta-feira 13 em agosto-mês-do-desgosto!)
– Margareth Tatcher também, em outubro de 1925.
– O rapper Tupac Shakur foi assassinado na sexta-feira, 13 de setembro 1996.
– A banda de heavy metal Black Sabbath (nome de um ritual de magia negra) lançou seu primeiro álbum homônimo no dia 13 de fevereiro de 1970. Apegado à data, Ozzy “Comedor de Morcego” Osbourne escolheu aquela sexta-feira 13 para lançar o primeiro trabalho.
As origens dessa crendice popular que sexta-feira 13 dá azar vem dum emaranhando de lendas de diversas correntes mitológicas. No samba junta-se lenda nórdica com Ordem dos Templários, banquete de bruxas, crucificação de Jesus e o fato de 13 pessoas estarem à mesa na Última Ceia. Curioso? Consulte o Guia dos Curiosos
Shaaaarooon, babou

"Shaaaarooon, babou"

O Ozzfest 2009 foi cancelado. Esta será a primeira vez que o festival dedicado ao gênero heavy metal e organizado pelo casal Sharon  e Ozzy Osbourne  não acontecerá desde que foi criado, em 1996. Em comunicado oficial, o madman e a madwoman afirmam que o cancelamento se deve aos preparativos do décimo álbum de estúdio de Ozzy, sucessor de Black Rain, de 2007.

O evento passou por mudanças nas últimas edições. Há dois anos, tornou-se gratuito; em 2008, teve sua jornada reduzida a apenas um dia. Atualmente, especula-se que o verdadeiro motivo para a não realização do festival seria a crise financeira mundial, já que o príncipe das trevas nunca deixou de gravar um disco por causa do Ozzfest.

ozzy-osbourne-tronoAcredite: Ozzy Osbourne completa hoje 60 primaveras. Literalmente, já que o verão começa dia 21.

O Madman é, de longe, nosso personagem de reality show favorito. Bom, não dá pra contar a vida do Ozzy aqui no blog, mas dá pra resumir alguma coisa usando apenas os apelidos dele. Vejamos:

1. Pai do Heavy Metal: o cara fundou o Black Sabbath, que surgiu no meio da década de 1960, na Inglaterra, mas só ganhou este nome em 69. E esta primeira formação do Black Sabbath é também a mais clássica: Ozzy (vocal), Tony Iommi (guitarra), Geezer Buttler (baixo) e Bill Ward (bateria). A banda ofereceu uma boa opção pra quem achava que os Stones podiam ser melhores e os Beatles estavam chatinhos demais com a fase psicodélica. Reza a lenda que o nome surgiu quando os caras estavam dando um rolé (rolê, pros paulistas) na cidade-natal deles, Birmingham (Inglaterra), e viram um cinema chamado Black Sabbath, onde passava um filme de terror e pensaram: “As pessoas pagam pra ver isso? Pra sentir medo? Pode ser que dê certo”. E deu, Ozzy! Deu certo! Nove anos depois o cara deixava o grupo e seguia uma carreira solo que, podem discordar, mas é, sim, bem-sucedida: vende discos, lota shows, tem fãs fiéis de todas as idades e é uma banda obrigatória em qualquer lugar em que se toque ou fale sobre classic rock.

2. Príncipe das Trevas: a idéia de o Black Sabbath fazer músicas obscuras, como se fossem, de fato, cenas de terror, rendeu este singelo apelido.

3. Madman: o primeiro disco da carreira solo foi Blizzard of Ozz (1980) e o segundo, Diary of a Madman (1981), foi o que rendeu este apelido, pois dava a entender que era uma espécie de autobiografia.

4. Comedor de morcegos: um dos episódios mais polêmicos da história do rock, o dia em que Ozzy arrancou a dentadas a cabeça de um morcego segue sendo um mistério. O fato existiu, mas ninguém sabe ao certo como (nem por quê) ocorreu. A versão clássica diz que um fã jogou o bichinho no palco e o Ozzy, crente que se tratava de um bicho de plástico (ou de pelúcia, sei lá!), tascou-lhe uma mordida no pescoço. Resultado da parada: teve de tomar uma cacetada de vacinas e ficou cheio de seqüelas (dá pra ver até hoje, né?). Além disso, organizações de apoio aos animais fizeram protestos e vários shows foram cancelados.


Crazy Train, do disco Blizzard of Ozz, foi o primeiro single
da carreira solo do Ozzy e é um dos maiores clássicos do rock

Tá bom de apelido, né?

Ozzy voltou a ter popularidade no mundo inteiro no começo desta década, com o reality show The Osbournes, da MTV. O programa mostrava o lado humano do cara, desfazia a aura Yoko Ono que rondava a mulher Sharon e impulsionou a carreira da filha Kelly, que não se manteve. Mas, como roqueiro, o Ozzy nunca desapareceu. E tratar a Sharon como Yoko é pura sacanagem, porque a senhora Osbourne se revelou uma grande empresária. Quando a carreira do Ozzy começou a declinar (junto com o rock do mundo inteiro) em meados dos anos 90, o que ela fez? Criou o OzzFest. Nada mais era que um festival em que a banda de Ozzy recebia convidados – em geral, bandas novas na cena. Além de dar um gás na carreira do maridão, essa idéia da Sharon promoveu várias bandas bacanas.


Um molequinho de seis anos de idade, chamado
Michael, toca um trecho de
Crazy Train

O disco mais recente de Ozzy Osbourne se chama Black Rain e foi lançado em maio de 2007, sendo que o single I Don’t Wanna Stop chegou às lojas na sexta-feira 13 de abril. Trata-se de um bom disco e só prova que o sesentão aí ainda tem muuuito rock pra cantar.

Parabéns, Ozzy! E não queira parar nunca.


Abertura do show que o Ozzy fez este ano no Rio de Janeiro