Posts com Tag ‘Niterói’

Logo mais, a partir das 19h, os roqueiros de Nikit se encontrarão no Espaço Convés, foco de resistência alternativa na cidade há 13 anos, para uma grande festa em homenagem ao Dia Mundial do Rock.  O evento “Araribóia Rock Apresenta” terá como atração as bandas niteroienses Tereza, Starlla, Prosaico e Tijolo de Vera, além dos cariocas d’Os Abreus.
Será a volta da Tijolo de Vera (foto ao lado) aos palcos da terra dos papa-goiabas. Desde setembro de 2008 que eles não tocam na cidade-natal. Neste tempo, fizeram shows no Rio de Janeiro e entraram em estúdio. O show do quinteto marcará o lançamento do single Dois +2, com três faixas (Dois Palmos, Armas Brancas e Estamira) e que promete dar uma demonstração do que será o CD de estreia, Quem Acredita Em Simetria?

Os Abreus (foto ao lado), aproveitam este primeiro show Niterói para lançar o seu disco, homônimo. Nos intervalos, DJ Uno, e o videogame-sensação Guitar Hero de graça pra rapaziada se divertir.
Os dez primeiros pagantes ganham um kit surpresa do coletivo. No evento haverá uma banquinha bacana com venda de CDs, camisetas, adesivos e bottons de bandas e do Araribóia Rock.
SERVIÇO – Araribóia Rock Apresenta

Shows
: Os Abreus (RJ), Tereza, Starlla, Prosaico e Tijolo de Vera (nos intervalos, DJ Uno)
Extra: game Guitar Hero no telão, liberado
Data: sábado (18 de julho), das 19h às 02h
Local: Espaço Convés – Rua Coronel Tamarindo 137, Gragoatá, Niterói – RJ
Informações: (21) 3026-6321 e arariboiarock@gmail.com
Ingressos: R$ 10 (nome na lista) / R$ 15 (sem lista)
Classificação: 18 anos

ATUALIZADA – quinta, 28/5, 23h51

radio_estudioO lance é que o ano está começando agora. Para o bem e para o mal. Pelo menos é o que parece:

1 – A partir de junho, a querida Selma Boiron volta ao ar no dial carioca. Ela disse que vem aqui dar um “oi” pra anunciar a data certinha. E a frequência também.

2 – Pra quem ainda não sabe, a tradicional, clássica e histórica Antena 1 FM sai do ar do Rio na próxima segunda, dia 1º. Em seu lugar, 103,7 MHz, entra a Nativa FM, que ocupava os 96,5 MHz, que passam a transmitir o sinal da Super Rádio Tupi AM. Só temos a lamentar pelo fim de uma rádio que marcou gerações.

3 – Outra FM adulta que deve sair do dial carioca em breve é a rádio Paradiso. Estava tudo certo para a entrada da Sulamérica Trânsito em seu lugar, mas esta semana começaram a circular boatos de que a frequência 95,7 MHz ocupada por ela (controlada, até onde me consta, pelo grupo empresarial do político Orestes Quércia) foi vendida para o Sistema Globo, com o objetivo de trazer a Globo AM para o canal FM. Ainda segundo a fofoca, a Globo AM teria feito uma proposta – rejeitada – para a Antena 1 e “arrematou” os 95,7 FM por R$ 30 milhões. Será? Aguardemos as cenas dos próximos capítulos. Uma fonte da própria emissora confidenciou que está tudo certo e pronto para começar a mudança de Paradiso FM para Sulamérica Trânsito.

4 – E parece que o Grupo Fluminense está se movimentando novamente para trazer a Maldita Rádio Fluminense de volta novamente também, mas somente online. Três problemas: o programador Claudio Salles estava à frente do projeto em 2007 e no ano passado, mas acabou abandonando a parada para assumir um cargo na secretaria de Cultura de Niterói, sem deixar ninguém em seu lugar; a rádio (repito: exclusivamente na web), pretende tocar a programação dos primeiros anos (leia-se: de 1982-85), perdendo assim a essência de rádio inovadora, alternativa e jovem, para ser “classic”; pra completar, a emissora, sem investimentos, incialmente deverá ser uma rádio-vitrolão (música direto, sem locução nem programas). Será que vai dar certo? Eu, por exemplo, dificilmente troco minhas “antenadas” listas de reprodução do iTunes por uma rádio-vitrolão das antigas de jeito nenhum! Aliás, ouvir rádio, mesmo, eu só tenho ouvido BandNews e Oi FM. Mas a gente sempre torce pra dar certo.

5 – Falando em rock e novidades… Já ouviram o novo programa do grande Tom Leão na rádio Multishow? Tem o mesmo nome do blog dele: Na Cova do Leão e toca, inédito, toda segunda, às 22h (horário de Brasília). Mas o arquivo fica online pra quem quiser ouvir depois. Esta semana, por exemplo, teve Black Kids, Gang Of Four e Indochine. Ouçam, crianças!

Quem conhece os garis deve saber que circulamos entre as cidades do Rio e Niterói. Isso quer dizer que a gente depende da boa vontade do tráfego na ponte e da boa vontade do horário das barcas. Tá certo que há uns anos surgiram umas barcas que fazem o trajeto em menos tempo, porém, os atrasos, a superlotação, a falta de embarcações disponíveis etc etc continuaram. Eis que vem um feriadão! Quarta, dia 08 de abril, véspera de quinta-feira Santa, o fluxo da ponte aumentou com a galera indo viajar. Quem queria fugir desse estresse, foi pro Rio de Janeiro de barca. E a volta, mermão?

Li n’O Dia:

Superintendente da Barcas S/A, Flávio Almada, explicou que o movimento foi muito maior que o previsto: “Muitos evitaram a Ponte por causa do feriado. Esperávamos 9 mil pessoas, mas havia 12 mil passageiros”. 

Opa, foi mal aê galera, a gente calculou errado!! He, he… Pra piorar uma das barcas quebrou. Conclusão: tumulto, quebra-quebra, nervosismo, hipertensão. Quem usa sabe que as catracas travam entre os embarques. Agora imagine as catracas travadas e uma multidão de gente até a altura do mergulhão esperando? 

Imaginem a tensão, né? Aquele monte de gente, aquele sentimento de revolta que toma o pobre cidadão que já trabalha feito condenado e é tratado feito gado, ao buscar apenas o transporte pra chegar à sua humilde residênci Tenso né? Sei lá, ou não!

 

Divertido, rapá!

Divertido, rapá!

Foto d’O Dia. Homenagem à técnica popularizada por Bobagento.

A banda carioca Rockz está de volta. Pela primeira vez sem Diogo Brandão, vocalista que deixou o grupo em fevereiro para se dedicar ao teatro (está em cartaz com o espetáculo “Otelo”) e a sua outra banda, Benflos, o Rockz tocou na noite desta sexta-feira na Sala Paratodos, em Niterói.

Formação atual do Rockz: Gabriel, Nobru, Pedro e Daniel.

Com os vocais de Gabriel Muzak, que já era guitarrista da banda, o Rockz reaparece, agora, com um estilo que se diferencia bastante daquele que manteve durante dois anos, desde o início do grupo até fevereiro deste ano. A naturalidade das atitudes de Gabriel, que em certa medida lembra Tom Zé, contrasta com o requinte performático do ator/poeta/músico Diogo Brandão. Não dá para dizer que um é melhor que o outro. Fato é que as letras, a voz, a postura e até mesmo a timidez de Diogo causaram grande empatia com os fãs. Seria muito fácil Gabriel seguir o mesmo estilo e correr o risco de se tornar uma vergonhosa caricatura do vocalista anterior. Gabriel faz graça com o fato de errar e até mesmo esquecer alguns trechos de letras e o público não se incomoda: acha graça, aplaude e solta gritinhos.

O Rockz pode ser uma banda nova, mas os integrantes já têm alguns anos de estrada. O baterista Pedro Garcia, filho do bluesman Bebeco Garcia, tocou no Planet Hemp e no Seletores de Freqüência. Os guitarristas Nobru Pederneiras e Gabriel Muzak também tocaram no Seletores, sendo que este passou pela primeira banda de BNegão, Funk Fuckers. Já o baixista Daniel Martins, que faz parte do Benflos, além de tocar na banda de Lobão, da qual Pedro Garcia também faz parte.

(Todos os links direcionam para os perfis dos artistas no MySpace)

Vinha um dos garis do pop andando no seu skate long shape na ladeira de descida do Museu de Arte Contemporânea, em Niterói, no sentido Praia de Icaraí, na última sexta-feira à tarde. Eis que a roda estava desregulada, o bichinho pegou a maior velocidade, se desestabilizou e… adivinhem…

skylab1.jpg

Tudo bem que quando eu me toquei do que havia ocorrido, já estava em pé, xingando porque meu óculos de sol que eu tanto gostava estava todo retorcido. Aí, o GARI aqui viu sua camiseta novinha, de exaltação ao Mensalão, toda rasgada. Percebi que meu cotovelo sangrava. Havia sangue no rosto também. Inevitável não lembrar a capa do álbum Skylab VI (2005), do louco genial Rogério Skylab.

Pensei: “Putz! Será que terei de passar alguns dias que nem o Skylab?”. Não. Não precisei. Estou aqui, quase inteiro e pronto pra outra. A exemplo do músico, eu – e o outro GARI também – sou vaso ruim. Difícil quebrar. Ainda bem.

skylab7.jpg

Bom, mas já que falamos nele, o Skylab lançou recentemente um novo disco, Skylab VII (2007). Trata-se do oitavo disco da carreira do cara que fica nervooooso. Sim: é o oitavo, mas se chama Skylab VII, porque o primeiro disco, lançado há 15 anos, se chama Fora da Grei. Os demais que receberam numeração romana, para sinalizar a fase que o músico denomina “work in progress”, que – ele jura – só vai até o número dez.

A lista de músicas deste disco já dá a dica de que o cara continua o mesmo: começa com Qual Foi o Lucro Obtido?, passa pela sintética Quanto Mais Saúde Eu Morro, a quase árabe Corpo e Membro Sem Cabeça (que cita até “o dedo mindinho do Lula”, “as pernas do Lars Grael”, “as fotos de um fotógrafo cego”, “os dentes de uma banguela”), a provocação filosófica de Eu Chupo Meu Pau, a sincera – e cruel – Hei Moço, Já Matou Uma Velhinha Hoje?, a ironia agressiva de O Primeiro Tapa É Meu e termina lá na faixa 18, O Mundo Ta Sempre Girando, composta e interpretada em parceria com Maurício Pereira (Mulheres Negras).

E dá pra baixar duas faixas desse novo disco DE GRÁTIS e legalmente, no site dele. Se você ficou curioso, clicaê e manda “salvar link como”:
1. Corpo e Membro Sem Cabeça
2. Eu Chupo Meu Pau

Pra terminar, segunda agora, dia 31/3, o Programa do Jô volta e, pra variar, certamente veremos o Skylab por lá qualquer hora. Agora, o trecho da entrevista em que ele comentou o supracitado (achei que só escreveria isso no dia em que tivesse de redigir um edital) Skylab VI: