Posts com Tag ‘Morrissey’

O cantor Morrissey passou mal no início de um show na noite deste sábado, em Swindon, na Inglaterra. Mozza não chegou nem a cantar a primeira música toda e desmaiou. O estado de saúde dele é considerável estável e a turnê está cancelada.

morrissey

Testemunhas relataram ao jornal The Telegraph que o cantor entrou no palco no início da noite e saudou a plateia: “Boa noite… provavelmente” . Durante a canção de abertura, a clássica This Charming Man, da época dos Smiths, ele desmaiou e precisou ser carregado pela sua própria equipe.

Espectadores disseram que Morrissey entrou no palco meio perdidão, tremendo e, quando a música se aproximava do fim, ele ajoelhou e desmaiou no palco.

“As luzes apagaram, ele foi tirado do palco e então a banda saiu”, contou uma testemunha. “Após 25 minutos de espera, uma pessoa da equipe informou que Morrisey deixara o prédio, seriamente doente”, acrescentou.

Morrissey, que está no meio de uma turnê mundial, já havia cancelado alguns shows este ano, por motivo de saúde.

“Somente após as 21h (19h horário de Brasília) nós recebemos um chamado informando que um homem de 50 anos de idade sofreu um problema respiratório e estava inconsciente” , disse um portavoz do serviço de emergência. “Quando o socorro chegou, encontrou o paciente consciente, mas ainda passando mal. Foram dados os primeiros-socorros e levaram-no para o Great Western Hospital”.

De acordo com o hospital, Morrissey foi internado, passou por uma bateria de exames e seu estado de saúde é considerado “estável” . Torcemos pela rápida recuperação desse nosso ídolo.

Esta notícia foi descaradamente inspirada (se é que você me entende) no Gigwise e no NME.com.

COLETÂNEA SERÁ LANÇADA NESTA SEGUNDA

A coletânea de lados-b Swords, que já estava prevista para começar a circular nesta segunda-feira, dia 26, deve chegar mesmo às prateleiras do Reino Unido na data prevista. Já as lojas dos EUA só devem ter os discos a partir do dia 3 de novembro. As faixas do disco são:

1. Good Looking Man About Town
2. Don’t Make Fun of Daddy’s Voice
3. If You Don’t Like Me, Don’t Look At Me
4. Ganglord
5. My Dearest Love
6. The Never-Played Symphonies
7. Sweetie-Pie
8. Christian Dior
9. Shame Is the Name
10. Munich Air Disaster 1958
11. I Knew I Was Next
12. It’s Hard to Walk Tall When You’re Small
13. Teenage Dad on His Estate
14. Children in Pieces
15. Friday Mourning
16. My Life Is a Succession of People Saying Goodbye
17. Drive-In Saturday
18. Because of My Poor Education

Tuíte: http://wp.me/pdGj4-Ep

Vamos à comemoração musical pelos 40 anos da chegada dos astronautas norteamericanos à Lua!










E, como não podia deixar de ser, Michael Jackson fazendo o moonwalk em uma verdadeira coletânea e, depois, um intensivão pra você aprender a fazer o passo mais pop do Rei do Pop:


morrissey-sl122608hauahauahaua Zoação! Mas é que o Morrissey completa hoje meio século de vida e eu achei que seria tosco escrever um título chamando-o de “charming man” ou algo que fizesse referência às músicas dos Smiths ou da carreira solo do próprio Moz.

A comemoração do cinquentenário será esta noite no palco do Apollo (o mesmo onde os Arctic Monkeys gravaram o DVD ao vivo), em Manchester, cidade-natal do cara.

É, pessoal. O cara não para! Há três meses chegou às lojas o nono disco solo de estúdio, Years Of Refusal, que abre com a faixa Something Is Squeezing My Skull, cujos versos iniciais mandam o recado:

I’m doing very well
I can block out the present and the past now
I know by now you think I should
have straightened myself out
Thank you, drop dead

[Eu estou indo muito bem
Já posso apagar o presente e o passado
Acho que você agora deve estar pensando
Que eu deveria ter me endireitado.
Obrigado e morra
]

Uia! Bora dar um confere?

Alheio às polêmicas, que normalmente questionam aspectos de sua sexualidade, Morrissey costuma se declarar assexuado e consegue conquistar uma legião de novos fãs todos os anos – diria todos os dias – e, ao mesmo tempo, não decepciona aqueles que curtem o trabalho dele desde o tempo dos Smiths. Muito legal!

O pessoal do NME.com comemora o aniversário dele com uma série de trocadilhos musicais com nomes de faixas dos Smiths e do próprio Morrissey misturados a nomes de bandas. E lança um desafio: você é capaz de pensar em novos trocadilhos? Se for, escreve pra eles e pra gente também! Vamos ver o que eles pensaram:

Heaven 17 Knows I’m Miserable Now
This Charming Man O War
Will.I.Am It Was Really Nothing
Moz Def
Quiff Little Fingers
Cele-Bat For Lashes
First Of The Gang Of Four To Die
There Is A Lighthouse Family That Never Goes Out
Johnny Foreigner Marr
Swing Out Sister I’m A Poet
Stretch Out And Tom Waits
Death At One’s Elbow

Ah, vai! É divertido…

Então, parabéns aí, Moz! Muitos anos de vida e de sons maneiríssimos.

Bom fim de semana a todos e a gente volta segunda.

morrissey_rock

No último dia 16, Morrissey mostrou mais uma vez como conseguiu a façanha de consolidar uma carreira solo após o fim de uma banda do porte dos Smiths. Years Of Refusal, nono álbum de estúdio, tem tudo para não fugir à regra e se tornar um sucesso, pelo menos no Reino Unido.

Desde a estreia solo, com Viva Hate (1988), Morrissey experimenta o gosto do sucesso. Naquela época, explodiu com os dois maiores clássicos pós-Smiths: Suedhead e Everyday Is Like Sunday. Aí, vieram prêmios, indicações, boas avaliações, lugares bacanas em listas de “mais” e “melhores”, até que em 1997 ele colocou nas lojas o disco Maladjusted, que, comparado aos anteriores, foi um fracasso. De 88 a 97 Morrissey lançara seis discos de inéditas e, com Maladjusted, pode-se dizer que ele encerrou uma fase mais melancólica. Encerrou também a parceria com o produtor Steve Lillywhite (Peter Gabriel, U2, Talking Heads, Rolling Stones, Smiths, etc.).

O álbum seguinte, You Are The Quarry, só foi lançado sete anos mais tarde. A produção era assinada por Jerry Finn, que trazia na bagagem trabalhos com AFI, Bad Religion, Alkaline Trio, MxPx, Rancid, Green Day, Sum 41 e The Offspring. Nem precisa explicar o quanto o som do Morrissey ficou pesado, porém extremamente acessível, como sempre. You Are The Quarry trazia bons singles, como Irish Blood, English Heart, First Of The Gang To Die e I Have Forgiven Jesus, a ponto de ser comparado a Viva Hate. É claro que foi elogiadíssimo e entrou nas paradas britânica e americana. Foi a volta por cima.

No trabalho seguinte, Ringleader Of The Tormentors (2006), Morrissey escolheu outro produtor. Desta vez, Tony Visconti, que trazia uma pegada mais clássica, típica de quem trabalhou com David Bowie,  T. Rex, Thin Lizzy, Gentle Giant e Adam Ant, entre outros. Chegou ao topo da parada britânica, mas não ficou nem entre as “20 mais” nos Estados Unidos. Também trazia boas faixas, como You Have Killed Me e I Just Want To See The Boy Happy.

morrissey-yearsofrefusal

Years Of Refusal começou a ser gravado no final de novembro de 2007 e, um mês depois, as principais sessões no estúdio já estavam concluídas. Em fevereiro do ano passado, quando lançou um Greatest Hits (sem dúvida um dos melhores de todos os tempos), Morrissey antecipou duas faixas do disco novo, That’s How People Grow Up e All You Need Is Me. E as músicas traziam bem a vibe do álbum. Mozza retomou a parceria com Jerry Finn, neste que foi o último grande trabalho do produtor, que sofreu uma hemorragia cerebral em julho do ano passado, entrou em coma irreversível e acabou tendo os aparelhos desligados pela família no mês seguinte.

A faixa Something Is Squeezing My Skull abre o disco com uma guitarra “norótica”, como diriam por aí, cheia de modernismos; bela bateria também, além do vocal poderoso do Mozz. Veja no vídeo do show do lançamento do disco:

A seguir, a quase épica Mama Lay Softly On The Riverbed, nos faz lembrar os Smiths; bateria cadenciada sugere uma espécie de marcha. Black Cloud começa em clima soturno, passa rapidamente por uma interferência eletrônica, fica pesada e deságua rapidamente num refrão grudento: “Black clooooouuuud…”. I’m Throwing My Arms Around Paris começa com barulho de um carro sendo ligado e não tem nada mais apropriado, já que ela nos remete a uma daquelas viagens de carro junto com bons amigos, fazendo aquela bagunça a caminho da praia ou da serra. Já All You Need Is Me é nossa velha conhecida e, claro, uma das melhores faixas do álbum. Talvez a melhor. Apesar de a guitarra conduzir bem a faixa, é a bateria pesada que mais chama a atenção. Bom saber que quando eu escrevo “pesada” é pesada para o padrão Morrissey. Ok?

A sexta música, When Last I Spoke To Carol, tem uma irresistível fórmula que mistura guitarra espanhola e naipe de metais. That’s How People Grow Up também já era conhecida e também é uma das melhores faixas. Em One Day Goodbye Will Be Farewell é o baixo quem rouba a cena desde os primeiros acordes. It’s Not Your Birthday Anymore tem mais aquele clima de baladinha romântico-melancólica, bem Smiths também. Já You Were Good In Your Time traz uma levada jazzy que se você botar pra tocar e não pegar ninguém ao som dela… desiste, meu camarada! Sorry Doesn’t Help, retoma a guitarrinha nervosa, com efeitinhos e tal, bem indie. Soa como rock francês. O disco encerra com toda a energia de I’m OK By Myself, que, óbvio, com um título desse, é meio porrada, mas é triiiiiiste…

Faixas de Years Of Refusal:
1. Something Is Squeezing My Skull
2. Mama Lay Softly On The Riverbed
3. Black Cloud
4. I’m Throwing My Arms Around Paris
5. All You Need Is Me
6. When Last I Spoke To Carol
7. That’s How People Grow Up
8. One Day Goodbye Will Be Farewell
9. It’s Not Your Birthday Anymore
10. You Were Good In Your Time
11. Sorry Doesn’t Help
12. I’m OK By Myself

O semanário britânico New Musical Express elaborou uma lista com as oito vozes mais estranhas da música. São eles:

8 ) Antony Hegarty: O líder do Antony and The Johnsons não é só estranho de voz; saca só o visual; parece uma tiazona gorda. Nada contra as gordas; nem contra as tiazonas.


7) Jello Biafra: a voz do grupo punk-hardcore Dead Kennedys também não fica muito atrás no quesito excentricidade.

6) Joanna Newsom: Nunca tinha parado para ouvir Joanna Newsom. Fui olhar esse vídeo e durante a introdução, ela começa a falar toda fofa. Pensei: O que tem de excêntrico na voz dela? Bem, foi só começar a cantar para perceber.

5) Geddy Lee (Rush): Geddy Lee é uma clássica voz estranha. Tão clássica que já me acostumei a ela, mas lembro quando meu pai ouvia Rush em casa quando eu era criança. Podia jurar que era uma mulher cantando.

4) Stuart Staples: o vocalista doTindersticks faz um estilo meio “latin lover”: Muitos susurros, um olhar 43 aqui, uma piscadela de olho ali; a voz é quase inaudível.  Sou mais o Chris Issak.

3) Alec Ounsworth (Clap Your Hands Say Yeah): Fico tentando imaginar quando ouviram ele cantar e disseram: Nossa, você é perfeito para esta banda!

2) Morrissey: Moz é outra voz bizarra que o povo já acostumou.
1) Gary Numan: Eu adoro a música Down in The Park, mas na voz de Dave Grohl.

Com todo respeito ao povo da NME, mas uma lista com as vozes estranhas sem a presença de Billy Corgan (Smashing Pumpkins), Bjork e Bob Dylan não pode ser séria…

(Péssimo o trocadilho, mas enfim…)

também tá na lista!

Iggy: também tá na lista!

A versão online do New Musical Express tá fazendo uma eleição para escolher qual é o artista mais cool (legal, bacana) de todos os tempos.

Numa galeria de fotos dos 30 candidatos, o internauta (que souber inglês, ok?) pode ler uma rápida defesa de cada um, elaborada pelo próprio NME. No páreo, entre outros, Dee Dee Ramone, Keith Moon, Prince, Janis, Jimmy Page, Slash (cool!?), Kurt Cobain, Jeff Buckley, Thom Yorke, Angus Young, Ian Curtis, Jarvis Cocker, Debbie Harry, Meg White, Johnny Marr e Morrissey, o que nos faz pensar que os Smiths, em si, podem ser a banda mais cool de todos os tempos. Não?

Uma pena poder votar só em um.

Clique aqui para ir até a galeria dos candidatos e conhecer suas “plataformas”

Clique aqui para ir direto à lista e votar

Depois volta aqui e conta pra gente em quem você votou e por quê.