Posts com Tag ‘Libertines’

Nem tinha muito o que inventar no título. O lance é que na madrugada de sexta (15) para sábado (16), três quartos do Libertines — os vocalistas/guitarristas Pete(r) Doherty e Carl Barat, além do batera Gary Powell — se juntaram para uma pequena apresentação no Rhythm Factory, em Londres. Foi um tributo a Johnny Sedassy, agente do Libertines, Babyshambles e da carreira solo de Pete Doherty, dono da casa de shows, que morreu de câncer no último dia 16 de março.

Antes do Libertines, o Babyshambles subiu ao palco e mandou I Wish, Killamangiro, Delivery, UnStookietitled, Back From The Dead, Baddie’s Boogie e Albion. Aí, plateia gritando, aquela coisa… O pessoal do Babyshambles saiu de fininho (só ficou o baixista Drew McConnell) e, de repente… What a Waster soou nos amplis, Carl Barat e Pete Doherty dividiram o microfone e só então os fãs acreditaram: o Libertines estava ali, fazendo um show histórico e, pelo menos até agora, único.

Depois rolaram Up The Bracket, What Katy Did e Can’t Stand Me Now:



E, pra fechar o setlist, Time For Heroes e Death On The Stairs:


Foi isso. Infelizmente os vídeos não estão completos, mas dá pra curtir.

Depois que eles saíram, parte do Babyshambles ainda voltou e encerrou com Pipedown e Fuck Forever. Existem, é claro, muitos boatos sobre a reunião definitiva do Libertines, que não tocava junto desde 2004, mas parece que os caras não estão muito a fim, não. O site Future London Underground conta que alguém teria oferecido ao Libertines 1 milhão de libras (cerca de R$ 3.180.000) para eles fazerem uma turnê, mas os caras não quiseram. Pelo menos não são mercenários, como um monte de outras bandas.

Bom, mas já que estamos aqui e o post tá gigante, mesmo, lá vai um vídeo do Keane junto com o Pete Doherty fazendo cover de Karma Chameleon, do Culture Club, no programa My Taratata, da TV francesa:

E a quem interessar possa: Boy George saiu da cadeia no último dia 11, porque se comportou direitinho.

Se ontem a gente lamentou o fim da comunidade Discografias, no Orkut, hoje é o dia de comemorar o lançamento do novo álbum do líder do Babyshambles Pete Doherty. Grace/Wastelands é o nome do aguardadíssimo petardo solo do ex-Libertine, que acabou de ser lançado e pode ser ouvido (mas não baixado) na íntegra no MySpace.

pete-dohertyConforme já contamos aqui nesta LIXEIRA, Pete chamou o guitarrista Graham Coxon, do Blur, para tocar em quase todas as faixas – exceto em Broken Love Song. Além disso, convocou seus companheiros de Babyshambles: o guitarrista Mik Whitnall, o baixista Drew McConnell e o baterista Adam Ficek, todos do Babyshambles, participaram do álbum.

E não é só isso! O petardo foi gravado no Estúdio Olympic, de Londres, e teve a produção de Stephen Street, que traz no currículo obras-primas como Meat Is Murder (1985) e The Queen Is Dead (86), dos Smiths; Everybody Else Is Doing It, So Why Can’t We? (92), que marcou a estréia do Cranberries; Parklife (94), The Great Escape (95) e Blur (97), claro, do Blur; Employment (2005) e Yours Truly, Angry Mob (07), do Kaiser Chiefs.

No ano de 2007, o produtor também trabalhou com Pete Doherty. Street foi responsável pelo segundo disco do Babyshambles, Shotter’s Nation, que alcançou o quinto lugar na parada inglesa.

Bom, né? A gente tá ainda naquela fase de ouvir bastante pra escrever sobre depois, mas a avaliação é bastante positiva. Ao que tudo indica, Pete se livrou mesmo das drogas pesadas que ameaçavam seu trabalho e agora se dedica exclusivamente à fazer músicas – o que sempre fez muito bem.

NÃO EXISTE PREVISÃO DE LANÇAMENTO DO DISCO NO BRASIL. E já está nas lojas lá de fora. Tem como não lamentar o fim da Discografias? Tem como não amar a existência de redes P2P?

Carreira, agora, só a musical. Será?

Carreira, agora, só a musical. Será?

Coincidência ou não, dois dias depois do reaparecimento artístico de Amy Winehouse, que anunciou a volta aos estúdios para breve, o amiguinho dela Pete Doherty reaparecerá. Desta vez no semanário britânico New Musical Express, que chega às bancas amanhã.

Em uma entrevista exclusiva, que teve alguns trechos antecipados pelo site NME.com, Pete marcou para o dia 9 de março o lançamento do seu aguardado disco solo. Uma semana antes, as rádios da Inglaterra começarão a executar o single Last Of The English Roses, que será a segunda das 12 faixas do álbum.

O líder do Babyshambles conta que chamou o guitarrista Graham Coxon, do Blur, para tocar em quase todas as músicas – exceto em Broken Love Song. O curioso é que se trata de um disco solo, mas nem por isso os companheiros de banda tiveram sossego. O guitarrista Mik Whitnall, o baixista Drew McConnell e o baterista Adam Ficek, todos do Babyshambles, participaram do álbum.

só love

CARLzinho e Buchecha: só love, só love

Na entrevista ao NME, ao que tudo indica, Pete Doherty não comenta sobre sua relação – que já foi de ódio e, ao que tudo indica, atualmente é de paz e amor – com o guitarrista Carl Barât, com quem tocava no Libertines, nem sobre os boatos que dão conta de um revival do próprio Libertines.

O DISCO PROMETE

O álbum de Pete Doherty foi gravado no Estúdio Olympic, de Londres, e teve a produção de Stephen Street, que traz no currículo obras-primas como Meat Is Murder (1985) e The Queen Is Dead (86), dos Smiths; Everybody Else Is Doing It, So Why Can’t We? (92), que marcou a estréia do Cranberries; Parklife (94), The Great Escape (95) e Blur (97), claro, do Blur; Employment (2005) e Yours Truly, Angry Mob (07), do Kaiser Chiefs.

No ano de 2007, o produtor também trabalhou com Pete Doherty. Street foi responsável pelo segundo disco do Babyshambles, Shotter’s Nation, que alcançou o quinto lugar na parada inglesa. O mais recente grande feito de Stephen Street foi ter feito o disco de estréia da banda indie inglesa The Courteeners, St. Jude, escalar no ano passado o ranking e chegar ao quarto lugar. Ou seja, se depender do produtor, será um sucesso.

Assim que vazar, a gente ouve  e te conta. Aliás, já ouviram Tonight, do Franz? Bom pacarái! Ainda esta semana a gente comenta.

As faixas do disco solo do Pete Doherty são:

1. Arcadie
2. Last Of The English Roses
3. 1939 Returning
4. A Little Death Around The Eyes
5. Salome
6. Through The Looking Glass
7. Sweet By And By
8. Palace Of Bone
9. Sheepskin Tearaway
10. Broken Love Song
11. New Love Grows On Trees
12. Lady, Don’t Fall Backwards

E aí? Curte ficar descobrindo bandas novas no MySpace? A gente, por aqui, se amarra.

Então, seguem dicas de boas bandas gringas novas que estão rolando por lá (depois fazemos uma lista das brazucas, tá?):

The Days num momento “pintou sujeira!”

The Days: pop / rock / alternativa, do Reino Unido
Pop rock indie muito, muito legal. Lembra Libertines, mas não soa como uma cópia.

Cold Hands: parece nu-metal emo. Mas não é

Cold Hands: indie / rock / new wave, do Tennessee, EUA
Passeia entre estilos e adere à onda new rave, com músicas ideais para festas. Já pra pista!

Anton Mink: blasé cool

Anton Mink: rock / indie / alternativa, de Kentucky, EUA
O vocal, feminino, lembra a Karen O., do Yeah Yeah Yeahs, e o jeitão dance pop metidão soa como brit pop. É a evolução do Cansei de Ser Sexy. Sacou?

Skank Sinatra: electro / house / big beat, do Reino Unido
Já vale pelo trocaralho do cadilho. É o batidão do Sinatra. Som eletrônico, que em alguns momentos resvala no rock. Voltemos à pista!

Zoot Woman: não é o Echo & The Bunnymen disfarçado

Zoot Woman: alternativa / pop / eletrônica, de Londres, RU
Infelizemente não está no MySpace a ótima versão que eles fizeram para “Das Model / The Model”, do Kraftwerk, mas tá valendo. Já sacou a onda, né? Som novo com ótimas influências de Kraftwerk, Joy Division, Soft Cell, Depeche Mode… Já gostei!

Tinha mais duas indicações, mas vou deixar pra outro dia, só pra poder atualizar mais aqui. Mesmo porque estes links aí já são suficientes para te divertir durante este fim de semana.

Aproveite o rock. E aproveite também pra ir tomar um solzinho e ativar sua vitamina D, pra não ficar velho logo. Eu tô indo.

Valeu!