Posts com Tag ‘Creaky Boards’

OU SERÁ QUE ELES ‘SÓ’ DESCOBRIRAM A RECEITA DO SUCESSO?

Vou escrever mesmo e não adianta ficar revoltadinha, não! Era outubro de 2007 quando o tiozinho Peter Van Wood, holandês radicado na Itália, pediu um milhão de euros ao Coldplay, que teria plagiado a sua Caviar and Champagne na música Clocks, lançada pelo grupo de Chris Martin no ano 2000. Veja o vídeo a seguir e tire suas conclusões:

O lance é que, dessa vez, eles se superaram: uma só música parece ter dois criadores. E nenhum deles faz parte do Coldplay. O primeiro deles a gritar foi Andrew Hoepfner, vocal da banda indie americana Creaky Boards. No vídeo que ele colocou no YouTube (veja abaixo), tem até imagens feitas em maio de 2007, que comprovariam o plágio. Ainda segundo o cantor, Chris Martin teria ido a um show do Creaky Boards em outubro do ano passado e parecia estar gostando – o que deixara a banda muito contente. Mal sabiam eles que Chris Martin havia gostado demais da música de profético nome: The Songs I Didn’t Write (As Músicas Que Eu Não Escrevi). Tanto que até a usou para compor a música Viva La Vida, lançada em maio deste ano como segundo single do disco homônimo. Abaixo, o vídeo que compara as linhas vocais da música de Hoepfner e do Coldplay:

Mas é preciso mais do que uma linha vocal boa para fazer um sucesso. É aí que entra o segundo acusador: ninguém menos que Joe Satriani, com a faixa If I Could Fly, lançada – veja só – em 2004, no disco Is There Love in Space?. Nem tem muito o que comentar. Só repare que é A MESMA MÚSICA da  acusação acima, Viva La Vida. Segue o vídeo comparando as duas faixas:

Mesmo sob essas suspeitas, Viva La Vida foi indicada na última quinta-feira ao Grammy 2009. A faixa vai concorrer a sete gramofones, entre eles o de gravação do ano e de música do ano. Também alcançou o topo de paradas importantíssimas, como o Hot 100 da revista americana Billboard, a parada de singles do Reino Unido e a Euro 200. E isso nos faz pensar em três coisas:

1. o Coldplay pode ser canalha, mas até que tem boas influências;
2. receita do sucesso: pegue uma linha vocal novinha indie, que ninguém conheça, e misture com um riff que um guitarrista bonzão lançou há alguns anos, mas que ninguém consiga lembrar direito. Corre o risco de você concorrer ao Grammy;
3. já temos toda a concepção de uma banda – ã-ran, ã-ran, os GARIS vão criar uma banda – mas ainda não decidimos de quem vamos roubar as “nossas” músicas. Precisamos pensar nisso com urgência!