Posts com Tag ‘Cat Power’

RED HOT ORGANIZATION LANÇA VIGÉSIMA COMPILAÇÃO. DESTA VEZ, COM PEGADA INDIE

Apesar da notícia já velha, senti falta de ter nesta LIXEIRA DO POP a informação sobre a compilação Dark Was The Night, que foi lançada em fevereiro. É a vigésima compilaçao em benefíco da Red Hot Organization, organização internacional que arrecada fundos para pesquisas sobre a AIDS através da cultura pop (a frase é do Wikipedia, mas achei líndia! haha)

Muito se pode fazer através da cultura pop, não? Até encher uma lixeira…

De qualquer maneira, dos álbuns antigos destaco o Red Hot + Blue (1990), com regravações de Cole Porter (U2 contribuiu com a bela versão de Night And Day), e a Red Hot + Rio (1996), com bossa-nova e samba gringo, mas a ilustre presença de Chico Science, Gilberto Gil, Bebel Gilberto…

Esse de agora, Dark Was The Night, junta gravações exclusivas do crème de la crème indie, produzido pelo baixista e guitarrista do The National. Sente só o line-up:

Darkwasthenight-cvr‘THIS DISC’

1. “Knotty Pine” – Dirty Projectors + David Byrne
2. “Cello Song” – The Books featuring Joses Gonzalez
3. “Train Song” – Feist and Ben Gibbard
4. “Brackett, WI” – Bon Iver
5. “Deep Blue Sea” – Grizzly Bear
6. “So Far Around The Bend” – The National
7. “Tightrope” – Yeasayer
8. “Feeling Good” – My Brightest Diamond
9. “Dark Was The Night” – Kronos Quartet
10. “I Was Young When I Left Home” – Antony with Bryce Dessner
11. “Big Red Machine” – Justin Vernon + Aaron Dessner
12. “Sleepless” – The Decemberists
13. “Die” – Iron & Wine
14. “Service Bell” – Grizzly Bear + Feist
15. “You Are The Blood” – Sufjan Stevens

‘THAT DISC’

1. “Well-Alright” – Spoon
2. “Lenin” – Arcade Fire
3. “Mimizan” – Beirut
4. “El Caporal” – My Morning Jacket
5. “Inspiration Information” – Sharon Jones & the Dap-Kings
6. “With A Girl Like You” – Dave Sitek
7. “Blood Pt. 2″ – Buck 65 Remix (featuring Sufjan Stevens and Serengeti)
8. “Hey, Snow White” – The New Pornographers
9. “Gentle Hour” – Yo La Tengo
10. “Amazing Grace” – Cat Power
11. “Happiness” – Riceboy Sleeps
12. “Another Saturday” – Stuart Murdoch
13. “The Giant Of Illinois” – Andrew Bird
14. “Lua” – Conor Oberst with Gillian Welch
15. “When The Road Runs Out” – Blonde Redhead & Devastations
16. “Love Vs. Porn” – Kevin Drew

Eita, isso dá até medo! hehe

Recomendo a versão do cláássico gospel Amazing Grace da Cat Power, que ficou bem de raiz, bonito, sem firulas e com sentimento. Outro clááásico, Feeling Good, ganha (mais uma) versão com My Brightest Diamond e ficou bom, também simples e bluesy. Feist e Ben Gibbard é o casal que eu pedi aos céus pra gravar junto, porque os amo e a acústica Train Song ficou linda. Arcade Fire will be Arcade Fire pra sempre, Lenin é bem legal. Beirut will be Beirut pra sempre, e esse mesmo acordeão já está me dando dejà-vus não muito agradáveis. Decemberists will be Decemberists pra sempre, Stuart Murdoch will be Belle & Sebastian pra sempre, enquanto Sufjan Stevens me surpreendeu negativamente com You Are The Blood. A música é um épico viajandão sorumbático como todas as suas músicas, mas essa tem eletrônico demais, coisa que eu achei meio estranho para o tão orquestral Sufjan. Volta pro banjo, fofo!

MAIS

MySpace do projeto
Verbete na Wikipedia

SHOW DO BLUR SERÁ PARA OS NÃO-PRECONCEITUOSOS

Conforme prometido, vamos ver a seguir quais são as quatro bandas que tocarão no segundo dia de show do Blur (3 de julho) marcado para o Hyde Park, em Londres.

VAMPIRE WEEKEND

Sétimo lugar entre os melhores singles de 2008, com A-Punk, e 15º com o disco de estreia, Vampire Weekend. Ou seja, nós curtimos o som (a Spin curte mais que a gente e os considerou a melhor banda de 2008). Além disso, nem tem muito o que dizer sobre o quarteto novaiorquino. Melhor ouvir. A apresentação abaixo mostra este single citado sendo tocado ao vivo no Late Show, do “Zé Graça” David Letterman (um Jô Soares gringo, alto e magro), que mostra o vinil dos caras e diz: “Olha o tamanho deste CD!”

AMADOU & MARIAM

Sim, Amadou & Mariam são uma dupla (até possuem uma banda de apoio, ms o nome não chega a batizar uma banda inteira, como Belle & Sebastian, que tem sete integrantes – nenhuma Belle e nenhum Sebastian) de uma país africano chamado Mali. Trata-se de uma ex-colônia francesa, do tamanho do estado do Pará, que hoje, sete anos após o fim de uma ditadura, amarga a 168ª posição dentre os 179 países avaliados pela ONU para o cálculo do Índice de Desenvolvimento Humano. Amadou Bagayoko e Mariam Doumbia nasceram na capital, Bamako, e fazem um som influenciado pela música tribal, pelas batidas afros e por sonoridades pops e eletrônicas, tudo isso cantado em francês. Fica, no mínimo, interessante. Ouça no MySpace. Mas só no vídeo a seguir você ouve a faixa Masiteladi inteira. Quem souber onde baixa, me avisa!

FLORENCE AND THE MACHINE

O site tem um visual bem clean e fofinho. A vocal, Florence, tem um jeitinho todo peculiar de cantar (gritar?), que muito lembra… Björk. A diferença é que os músicos (ou “a máquina”) que acompanham a Florence tocam música, com direito a ritmo e harmonia. Um luxo, né? Além da islandesa, vez ou outra o estilo da Florence me remete à Cat Power também. E por aí vai. Dá pra ouvir quatro faixas aqui.

DEERHOOF

O quarteto baseado na Califórnia conta com três norteamericanos e uma japonesa: a vocalista e baixista Satomi Matsuzaki. Vocalista e baixista no papel, porque os quatro costumam mudar muito de instrumentos. Nem sempre são John Dieterich e Ed Rodriguez que estão nas guitarras, nem Greg Saunier que toca bateria. E eles conquistaram nossos corações – que brega! – com a liberação so single Offend Maggie para download gratuito. Esta faixa, aliás, não está no MySpace deles, que, visualmente, me causou desconforto. Ô, coisinha esquisita esse layout! Não sei se é viagem minha, mas de vez em quando o som deles lembra o Kooks. De vez em quando não lembra. hauahauahaua Agora sei que eu tô viajando… Eu, hein!

E aqui as bandas que vão abrir o show do Blur no dia 2 de julho, no Hyde Park.