Posts com Tag ‘beck’

E não é que a gente se empolgou com esse lance de mixtape? Dessa vez foi a menina-multimídia Natalia Weber quem fez aquela seleção “ichpéarta”. Ouve só!

Eis o setlist:

1. Yeah Yeah Yeahs – Gold Lion
2. Beck – Walls
3. DJ Lobsterdust – DeCexyLong (All American Rejects vs. Le Tigre vs. Rod Stewart)
4. The Illuminoids – Teenage Electric Lobotomy (MGMT vs. Justice vs. The Ramones)
5. Party Ben – Hung Up On Soul (Death Cab For Cutie vs. Madonna)
6. Tahiti 80 – Chinatown
7. The Shins – Australia
8. The Kills – Cheap and Cheerful
9. Oasis – The Hindu Times
10. Spoon – Don’t You Evah
11. Cake – Love You Madly
12. Eagles of Death Metal – Cherry Cola
13. Mark Ronson – Stop Me Medley (feat. Daniel Merriweather)
14. Kid Cudi Ft. MGMT & Ratatat – The Pursuit of Happiness
15. Rilo Kiley – Dreamworld
16. The Bees – Listening Man
17. David Bowie – Golden Years
18. T-Rex – Get It On (Bang-A Gong)
19. Whitest Boy Alive – Fireworks
20. Junior Senior – I Love Music (W.O.S.B.)

Agora, é só ouvir e contar pra quem te segue no Twitter, nos blogs, no Orkut, no MSN ou pelos becos das quebras da metrópole: http://wp.me/pdGj4-FX

Ah, se você fizer um mixtape e quiser divulgar, é só deixar um comentário com o link; mas só serve link no SoundCloud, porque o WordPress é meio frescurento.

A rapaziada dos Strokes prometeu que este ano teria disco novo nos servidores de downloads piratas nas lojas e estão trabalhando para que isso realmente ocorra. Esta semana eles começaram as sessões de gravação no (ou seria “nos”?) Avatar Studios, em Nova Iorque, sob regência de Joe Chiccarelli.

O cara já atuou com nomes como Frank Zappa, Journey, The Shins, Mika, White Stripes, Donavon Frankenreiter, Raconteurs, Bon Jovi, Oingo Boingo, Ray Manzarek, U2, Beck, Julieta Venegas, Rufus Wainwright, Elton John, Café Tacuba, Hanson, Jamie Cullum e Björk. Traduzindo: vale rezar para nos livrar de todos os males! Porque tem muita coisa boa que ele fez. Outras, nem tanto…

Ainda sem título, o álbum será o quinto da carreira dos Strokes (quarto de estúdio) e sucede First Impressions of Earth, de 2006.

Bora jogar no ventilador? Ó: http://wp.me/pdGj4-FM

Parabéns a todos nós, que escrevemos, lemos, comentamos e citamos o LIXEIRA DO POP por este primeiro aniversário. É… Hoje faz um ano que estamos no ar. Para comemorar, uma série de posts especiais.

E chega de conversa que todo mundo quer saber qual presente o blog aniversariante apresenta hoje. Uma coisa que eu realmente gosto é um bom mash-up, saca? Juntar, sobrepor, mixar, mesclar, samplear duas, três, centas músicas para fazer um algo completamente novo. Aliás, talvez foi por ter puxado tanto o assunto de mash-ups com o Victor que ele teve a idéia de me chamar pra cá. Bom, seja como for, eu, parte da comunidade Get Your Bootleg On, já gastei muuuuitas horas garimpando coisas legais por aí. E, catando mash-ups, eu acabei conhecendo muitas bandas legais.

A técnica começou a chamar atenção em 2004, com o trabalho do DJ Danger Mouse (não estranhou o nome? O cara é a metade mais magra do Gnarls Barkley e também produz – no currículo ele tem, por exemplo, o último e maravilhoso álbum do Beck, Modern Guilt). Ele juntou os vocais do Black Album, do Jay-Z, com uma mescla de instrumentais do White Album, dos Beatles. Formou-se então o The Grey Album, disponível para download em torrent aqui.

Um mash-up não é coisa simples de se fazer. É preciso encontrar músicas que se encaixem, ou fazer um esforço modificando o tempo, recortando, remontando e adequando os ritmos. O mash-up mais clássico é aquele em que o instrumental de uma música é colocado com os vocais de outra. Mas os mais legais são aqueles em que é tudo recortado, misturado e colado para formar algo realmente criativo e inovador. E você saberá quando um mash-up for realmente bom quando sentir falta das intervenções ao escutar uma música original. Por exemplo, meu favorito é do DJ Party Ben: Hung Up On Soul, Madonna vs. Death Cab For Cutie (sim, um mash-up sempre é apresentado como uma música versus a outra, e o novo título é uma mistura das músicas envolvidas). Pois bem, hoje eu não consigo mais ouvir Soul Meets Body do Death Cab, música utilizada no mash-up, sem cantarolar “hung up…” no refrão.

A cena mash-up lá fora é bem mais desenvolvida. As festas Bootie têm edições em NY, Los Angeles, Paris, Munique e por aí vai. No Rio de Janeiro, eu mesma já fiz uma! Ok, era uma festinha de aniversário, mas eu só toquei mash-ups e a galera curtiu… Ah, e por que “bootie”? É abreviação de bootleg, algo escamoteado, pirata, contrabandeado. No mundo dos booties, as músicas alheias são utilizadas à vontade para produzir algo completamente novo, e os downloads são abundantes pela net. Os DJs disponibilizam mesmo, o legal é distrubuir o trabalho, testar com a galera se está bom, divulgar seu nome.

Parece-me que o modo mais “fácil” ou básico de fazer um mash-up (digo isso porque é o que mais se vê por aí) é juntar os vocais de um hip-hop com alguma música rock ou pop rock. Fica ok, mas na maioria das vezes peca na falta de inovação (e é chato se você não curte hip-hop). Se uma música é hit por aí, geralmente todo mundo corre pra fazer o mash-up clássico (vocal de um + instrumental de outra) com qualquer uma que combine mais óbviamente (o tempo é semelhante, etc). Músicas pop tipo fabricação dão mash-ups corretos, mas também sem muita graça (vide o tanto de mash-up com I Kissed a Girl e Bleeding Love). Acaba como se fosse mais um remix da música de sucesso. Interessante é juntar músicas que não têm mesmo nada a ver, mas que encontram uma harmonia surpreendente. Vai do talento e da criatividade do DJ mesmo.

Eis o desfile de alguns selecionados:

Da série “separados no nascimento”, um exemplo de músicas feitas uma para a outra: Divide & Kreate juntaram Do Something, da Britney Spears com Supermassive Black Hole, do Muse.

Um exemplo de um mash-up com o “a capella” de uma e o instrumental de outra… eis Back to Virginity, do DJ Phil Retrospector, que une Like a Virgin, da Madonna, com Back To Black, da Amy Winehouse. Resultado bem interessante…

O DJ Earworm é mestre em pegar umas 20 músicas e encaixar tudinho numa só. E fica bom! Nessa ele reúne as 25 top músicas das paradas americanas em 2007 sobre a base de uma delas, Umbrella, da Rihanna. E se você ouvir algumas vezes, você decora e fica cantando elas juntas como se fossem uma música só mesmo.

Eu gosto muito desse mash-up, porque junta quatro músicas pra fazer uma completamente inédita. O ritmo formado nesse instrumental é uma aglutinação de Do You Think I’m Sexy, do Rod Stewart, Sexyback, do Justin Timberlake, e um remix de Deceptacon, do Le Tigre. Todas elas músicas contribuem nos vocais em certos momentos, mas a maior parte é tirada de Move Along, da banda All American Rejects, um poperô dessa nova leva (tenho medo de cometer algum erro grave se chamá-los de emo, mas tudo bem) até um bocado deprê no original, mas vira uma música super felizinha nessa salada.

Um tipo de mash-up muito comum é o hip-hop + música que originalmente não teria nada a ver. Juntar In Da Club, do 50 Cent, com Stayin Alive, do Bee Gees, acabou ficando bem legal.

Talento brazuca na área! FarOFF ainda tem muito arroz, feijão e farofa pra comer, mas já está despontando como um grande nome do mash-up. Radicado nos EUA, tocou na edição de março da festa Bootie NY. E isso é bem legal! Já recebi reclamações que não há mash-ups com músicas brasileiras, e isso é um crime. Esse cara já usou CSS, mas aí num vale… os DJs brasileiros têm que começar a entrar nesse negócio e usar a produção nacional. Imaginem quanta coisa legal ia rolar. Bom, essa une Beatles, Kinks, Daft Punk e LCD Soundsystem.

E pra tocar na comemoração de um ano do Lixeira! Dj Immuzikation juntou Time to Pretend, do MGMT, com One More Time, do Daft Punk, e fez uma pérola dançante.

Have fun!

Mais um ano, mais um Grammy… confesso que gosto de ver essa papagaiada pelos shows. Premiação é meio chato, mas enquanto eles estão na lenga-lenga você pode ir colocando a pipoca no microondas. Os momentos “reunião-dos-artistas” é o mais legal, não me esqueço o quanto gostei de ver John Mayer + Corinne Bailay Rae + John Legend há uns 2 anos. Ano passado, nada que eu me lembre a não ser a cara de besta da Amy (“Maaaa Blake encarcerated!!!!” MOR-RI DE RIR!)  e o Mark Ronson ganhando o prêmio de produtor (pulinhos!).

Amy com cara de “O QUÊ?”

Esse ano, a Sony exibe a 51ª edição da cerimônia esse domingo (08), a partir das 23h – ao vivo de LA. Reprise dia 15/02, às 20h. A Sony tá fazendo uma série de chamadas bem espirituosa pro evento. O tema é “O futuro da música está em boas mãos”, com textos assim: “Pra ser candidato ao Grammy, tem que ser O-RI-GI-NAL” – entra imagem do Coldplay com uma faixa onde se lê “PROCESSADOS”, ou ainda “Para ser candidato ao Grammy, deve ter um imenso fã-clube, uma estratégia de marketing arrasadora e fazer todo mundo cantar por você” – entram os Jonas Brothers! No fim, a declaração irônica: O futuro da música está em boas mãos… ê lê lê!

Mas então, o rapper Lil Wayne e o Coldplay lideram em número de indicações – levaram oito e sete, respectivamente. Algumas das categorias mais importantes:

Se não rolar Grammy, que tal um Oscar de figurino?

Álbum do Ano
Viva La Vida Or Death And All His Friends – Coldplay
Tha Carter III – Lil Wayne
Year Of The Gentleman – Ne-Yo (quem???)
Raising Sand – Robert Plant & Alison Krauss
In Rainbows – Radiohead (olhaaaa! o álbum do “quem dá mais!”)

Música do Ano
American Boy – Estelle e Kanye West
Chasing Pavements – Adele (Estilo Amy, porém poderia quebrar a Amy em 3)
I’m Yours – Jason Mraz (tô por fora…)
Love Song – Sara Bareilles (acho essa música chata por demais)
Viva La Vida – Coldplay (se o Coldplay levar, será que vai agradecer ao Satriani?)

Melhor Artista Revelação
Adele
Duffy (estilo Amy, mas com voz mais chatinha)
Jonas Brothers
Lady Antebellum (tô por fora…)
Jazmine Sullivan (tô por foraaaaaaaa… Isso é que é Revelação! Ninguém nem sabe ainda! rs)

Melho Álbum de Música Pop
Detours – Sheryl Crow
Rockferry – Duffy
Long Road Out Of Eden – Eagles (do Hotel California?)
Spirit – Leona Lewis
Covers – James Taylor

Melhor Álbum de Rock
Viva La Vida Or Death And All His Friends – Coldplay
Rock N Roll Jesus – Kid Rock
Only By The Night – Kings Of Leon
Death Magnetic – Metallica
Consolers Of The Lonely – The Raconteurs

Melhor Álbum de Música Alternativa
Modern Guilt – Beck (amo!)
Narrow Stairs – Death Cab For Cutie (amo! Não sei pra quem torcer…)
The Odd Couple – Gnarls Barkley (o Danger Mouse, inclusive, produziu o do Beck…)
Evil Urges – My Morning Jacket
In Rainbows – Radiohead (“dou 5 pila…”)

E os shows ficam por conta do U2, Coldplay, Miley Cyrus e Taylor Swift (kids!), Estele e Kanye West, Jennifer Hudson, Jonas Brothers, Kid Rock, Lil Wayne (no VMA esse cara fez playback…), Paul McCartney e Dave Grohl na batera (UAU!), Katy Perry (desafinou feião no VMA, eu quase tava pedindo playback…), Radiohead (sério?), Rhianna, Justin Timberlake (esses são mó arroz, tão em todas…).

Então. Esse Lil Wayne afinal, coé a dele? O cara é um rapper tipo bagaceiro mesmo (ou como eles gostam de dizer, gangsta), feioso e esquisito, com letras naquele estilo “leve”. Mas a criançada adora (sim, eu disse “criançada”, o cara é o xuxexo entre os adolas americanos). Claro, ele já foi preso por posse de arma e drogas. Claro, a música que atingiu os primeiros lugares das paradas manda a interlocurora fazê-lo de pirulito. Com seu álbum, Tha Carter III, ele está sendo considerado o melhor rapper que há. Eu não sou crítica de música profissional, muito menos saberia criticar rap, mas é engraçado quando a pessoa gosta do que tá criticando. Essa da Rolling Stone diz que Lil Wayne zoa esse negócio de se vender ao sucesso ao criar uma música de sucesso “Lollipop”, a tal do pirulito, sucesso aqui também). Tenho certeza que se não gostasse do Wayne iria dizer que ele era um vendido mesmo, oras!

Ok, quem leva Grammy então? Amanhã a gente descobre.