Arquivo da categoria ‘Rock’

Imagine o seguinte: você tem uma banda de rock famosa e lança, em 1985, um single que se tornaria um dos maiores clássicos de todos os tempos – aquele que quando toca a introdução, todo mundo cantarola. Aí, 26 anos depois, a galera “descobre” que sua letra é ofensiva e decide banir sua música da programação de todas as rádios de um dos maiores países do mundo.

Viagem? Não, não!

Isso aconteceu em janeiro deste ano, com a música “Money for Nothing”, do Dire Straits.

Depois de escutar a faixa na CHOZ-FM, no ano passado, um ouvinte mala reclamou no Canadian Broadcast Standards Council (CBSC) – órgão regulador -, que, por sua vez, considerou a letra muito ofensiva para todas as emissoras canadenses, porque a palavra faggot (veado) aparecia três escandalosas vezes. Resultado: baniram a música das rádios.

Até que setembro chegou e… o banimento foi suspenso. #todascomemora

Dire Straits - Money for Nothing

Um famoso radialista canadense, chamado Alan Cross, declarou à revista Rolling Stone: “Isso nos fez parecer imbecis aos olhos dos nossos colegas ao redor do mundo. Falei com a galera dos Estados Unidos e do Reino Unido e o pessoal ficou tipo, ‘O que há de errado com seu povo? Não entenderam? Isso é uma piada. Uma sátira. Vocês não conseguiram compreender o contexto?”

Vexame, né? “Money for Nothing” é uma das faixas do álbum “Brothers in Arms” (1985) e rendeu ao Dire Straits um Grammy.

Tuíte e facebúque: > Censura por nada” href=”http://wp.me/pdGj4-Hg” target=”_blank”>http://wp.me/pdGj4-Hg

A gente tá meio sem tempo. Deu pra notar, né? Mas demos uma pausa nos trabalhos diários pra vir aqui contar TUDO O QUE SABEMOS.

E o que sabemos? Que estão adiantadíssimas as negociações para trazer Ozzy Osbourne novamente ao Brasil. O Madman deve tocar além do eixo Rio-São Paulo. Brasília é uma forte candidata. Agora, sim, você entende que o título do post não faz referência a nenhum mineirim brasilêro (nem mineirim chilênnn, sô), mas ao Príncipe das Trevas mais boa praça que já vimos num reallity show:

Taí mais um motivo pra você, headbanger, bater a cabeça de felicidade, já que o Rock in Rio confirmou esta semana sua primeira atração: o Metallica.

Espalhaê: http://bit.ly/doylL9

É curioso como a vida e a morte brincam. Talvez para tornar a segunda mais leve. Neste 7 de julho a morte do cantor e compositor Cazuza faz 20 anos e a gente aqui pensou que não havia muito o que falar, a não ser copiar e colar o que outros veículos estão publicando durante o dia. E isso não é o LIXEIRA DO POP.

Agora à tarde, no entanto, uma notícia nos surpreendeu: Ezequiel Neves, 74 anos, jornalista e produtor musical que revelou o Barão Vermelho (com Cazuza, na época) no início dos anos 1980, morreu hoje. Ezequiel estava internado desde o início do ano na Clínica São Vicente, na Gávea, com um tumor benigno no cérebro. Ezequiel também tinha enfisema e cirrose.

Nesses últimos meses, Ezequiel recebia regularmente visitas de amigos como o líder do Barão Vermelho, Roberto Frejat. Bonito saber que certas amizades resistem ao tempo. No vídeo a seguir, Ezequiel Neves fala, entre outros temas, sobre a gravação do primeiro disco do Barão e também sobre Cazuza:

Descanse em paz, Ezequiel Neves. E obrigado pelo que você fez pela música brasileira.

Conte pros amigos: http://wp.me/pdGj4-Gr

Na noite em que Brasília conheceu seu novo governador – o quinto, somente este ano – 30 mil pessoas ocuparam a área externa do Museu da República para assistir à abertura da etapa brasileira da tour Wait For Me. A capital cinquentenária está em clima de festa e o show, no último sábado (17), teve entrada franca. O passe da área vip custou R$ 13, revertidos para compra de mudas de ávores nativas do cerrado, para reflorestamento. A iniciativa faz sentido quando o artista em questão também adere à causa. Só tem um detalhe: a área vip foi projetada para tantas pessoas, que quem não pagou teve de se contentar com um palco a mais de 100 metros de distância, com um bar, uma torre de som e duas grades de isolamento na frente.

Quem assistiu à passagem da excursão Hotel (2005) por aqui vai notar que, apesar de o álbum Wait For Me (Little Idiot Records, 2009) soar etéreo demais para um show, desta vez a gig vem com mais energia. O advogado Rodrigo Machado, de 29 anos, considerou esse show “mais dançante, mais animado do que o anterior”, que ele viu no Rio. Mas gongou a vocalista Leela James, ao compará-la com a cantora Laura Dawn: “A anterior tinha uma voz hipnotizante, que esta não tem”. Leela traz, no entanto, uma espontaneidade que, até quando dá errado, dá certo. Por exemplo, quando a introdução pré-programada de Disco Lies entrou, mas a vocal deu uma vacilada, mostrou ao público que a base até poderia ser playback, mas a voz era ao vivo.

Dos sucessos da carreira, quase todos estavam no setlist: Porcelain (dedicada a Brasília), Bodyrock, Go, We Are All Made Of Stars, Why Does My Heart Feel So Bad, In My Heart, Flower, Natural Blues, In This World, Raining Again e Disco Lies. Muita gente na plateia pediu Lift Me Up e Beautiful, mas não rolaram. Das novas, a banda tocou A Seated Night (que abre os shows dessa turnê), Mistake e Pale Horses. Normalmente cada setlist inclui apenas um cover, mas em Brasília foram dois: Walk On The Wild Side, do Lou Reed, e Whole Lotta Love, do Led.

O encerramento, com jeitão de grand finale, foi ao som de Feeling So Real, que começou como bossa nova.

Fácil pra quem viu de graça falar, mas fica a dica para o pessoal de Porto Alegre (20), Curitiba (21), São Paulo (23) e Rio de Janeiro (24), que vai desembolsar entre R$ 80 e R$ 400 pela entrada. Mas vale, viu?

Setlist – Moby em Brasília (17/4)
A Seated Night
Extreme Ways
In My Heart
Mistake
Flower
Bodyrock
Go
Why Does My Heart Feel So Bad?
Pale Horses
Porcelain
We Are All Made Of Stars
Walk on the Wild Side (Lou Reed cover)
Natural Blues
Raining Again
Disco Lies
The Stars
Bis:
In This World
Honey
Whole Lotta Love (Led Zeppelin cover)
Feeling So Real
Esse texto foi publicado originalmente no blog do Rio Fanzine (e eu esqueci de pedir pra linkar pra cá… hahaha).

A rapaziada dos Strokes prometeu que este ano teria disco novo nos servidores de downloads piratas nas lojas e estão trabalhando para que isso realmente ocorra. Esta semana eles começaram as sessões de gravação no (ou seria “nos”?) Avatar Studios, em Nova Iorque, sob regência de Joe Chiccarelli.

O cara já atuou com nomes como Frank Zappa, Journey, The Shins, Mika, White Stripes, Donavon Frankenreiter, Raconteurs, Bon Jovi, Oingo Boingo, Ray Manzarek, U2, Beck, Julieta Venegas, Rufus Wainwright, Elton John, Café Tacuba, Hanson, Jamie Cullum e Björk. Traduzindo: vale rezar para nos livrar de todos os males! Porque tem muita coisa boa que ele fez. Outras, nem tanto…

Ainda sem título, o álbum será o quinto da carreira dos Strokes (quarto de estúdio) e sucede First Impressions of Earth, de 2006.

Bora jogar no ventilador? Ó: http://wp.me/pdGj4-FM

O importante é começar o ano com uma boa notícia, né? Então… Corre na boca miúda a história da volta do Soundgarden. Ok, nem é tão miúda assim, já que a própria banda publicou um comunicado no site oficial (“The 12 year break is over and school is back in session”) e o NME.com já noticiou. Mas dane-se! Bora comemorar!!!

E a comemoração não pode se restringir à volta do Soundgarden, mas à provável interrupção da bizonha carreira solo do Chris Cornell. Na boa, não dá nem pra saber direito qual dois dois acontecimentos é melhor.

A banda, um dos ícones do movimento grunge, se separou em 1997, com aquela história de incompatibilidade de gênios. Os ex-Soundgarden até já tocaram juntos depois, mas foi sempre aquela sacanagem de “não sairemos em turnê com o Soundgarden”. Novamente, quem vinha com esse papinho era o Chris Cornell.

Aliás, o vocalista tuitou ainda: “knights of the Soundtable ride again!”, num infeliz trocadilho com os “cavaleiros da távola redonda” (roudtable). Afe! Só não digo que ele é pa* no c*, porque gosto demais do Soundgarden e do Audioslave e, convenhamos, a história poderia não ser a mesma sem o Chris Cornell. Mas que ele manda mal de vez em quando, manda.

Mais:
Tuíte-nos e retuíte-nos: http://wp.me/pdGj4-EX

E achava, mesmo, que não teria ela?

morrissey_rockMorrissey agradeceu neste domingo aos fãs pelo apoio após o mal estar de ontem e pretende seguir com a turnê.

De acordo com o site Gigwise, Jonathan Ross, amigo próximo de Mozza, ele “parece OK” e está apenas “em repouso”. Ross tuitou, inclusive, que o cantor pretende dar continuidade à turnê britânica, terça agora, dia 27, no Albert Hall. Apesar disso, o site oficial de Morrissey informa que o show foi remarcado para o dia 5 de novembro.

Após desmaiar no final da primeira música, This Charming Man, o cantor de 50 anos foi retirado do palco em Swindon (Inglaterra) por sua própria equipe e deixou o local em uma ambulância. Ainda segundo o site do ex-líder dos Smiths, uma mensagem informa que o estado de saúde dele é estável, que Morrissey agradece a todas as boas vibrações e promete postar novas informações o quanto antes.

Tuite-nos ou deixe-nos (brincadeirinha): http://wp.me/pdGj4-ED

O cantor Morrissey passou mal no início de um show na noite deste sábado, em Swindon, na Inglaterra. Mozza não chegou nem a cantar a primeira música toda e desmaiou. O estado de saúde dele é considerável estável e a turnê está cancelada.

morrissey

Testemunhas relataram ao jornal The Telegraph que o cantor entrou no palco no início da noite e saudou a plateia: “Boa noite… provavelmente” . Durante a canção de abertura, a clássica This Charming Man, da época dos Smiths, ele desmaiou e precisou ser carregado pela sua própria equipe.

Espectadores disseram que Morrissey entrou no palco meio perdidão, tremendo e, quando a música se aproximava do fim, ele ajoelhou e desmaiou no palco.

“As luzes apagaram, ele foi tirado do palco e então a banda saiu”, contou uma testemunha. “Após 25 minutos de espera, uma pessoa da equipe informou que Morrisey deixara o prédio, seriamente doente”, acrescentou.

Morrissey, que está no meio de uma turnê mundial, já havia cancelado alguns shows este ano, por motivo de saúde.

“Somente após as 21h (19h horário de Brasília) nós recebemos um chamado informando que um homem de 50 anos de idade sofreu um problema respiratório e estava inconsciente” , disse um portavoz do serviço de emergência. “Quando o socorro chegou, encontrou o paciente consciente, mas ainda passando mal. Foram dados os primeiros-socorros e levaram-no para o Great Western Hospital”.

De acordo com o hospital, Morrissey foi internado, passou por uma bateria de exames e seu estado de saúde é considerado “estável” . Torcemos pela rápida recuperação desse nosso ídolo.

Esta notícia foi descaradamente inspirada (se é que você me entende) no Gigwise e no NME.com.

COLETÂNEA SERÁ LANÇADA NESTA SEGUNDA

A coletânea de lados-b Swords, que já estava prevista para começar a circular nesta segunda-feira, dia 26, deve chegar mesmo às prateleiras do Reino Unido na data prevista. Já as lojas dos EUA só devem ter os discos a partir do dia 3 de novembro. As faixas do disco são:

1. Good Looking Man About Town
2. Don’t Make Fun of Daddy’s Voice
3. If You Don’t Like Me, Don’t Look At Me
4. Ganglord
5. My Dearest Love
6. The Never-Played Symphonies
7. Sweetie-Pie
8. Christian Dior
9. Shame Is the Name
10. Munich Air Disaster 1958
11. I Knew I Was Next
12. It’s Hard to Walk Tall When You’re Small
13. Teenage Dad on His Estate
14. Children in Pieces
15. Friday Mourning
16. My Life Is a Succession of People Saying Goodbye
17. Drive-In Saturday
18. Because of My Poor Education

Tuíte: http://wp.me/pdGj4-Ep

Ctrl+C, Ctrl+V do site da MTV:

As 20 piores bandas da década: Jonas Brothers, Tokio Hotel e Maroon 5 estão na lista

O conceituado site Gigwise fez uma justa lista com as 20 piores bandas da década atual. Entre os nomes que figuram na parada estão Jonas Brothers, Tokio Hotel, The Script, Sum 41 e The Darkness.
O trio Jonas Brothers e a turma do Tokio Hotel: Eles estão entre os piores grupos
As justificativas vão desde o vocalista chato a pior vestuário, passando também por letras ridiculas e melodias repetitivas. Sem esquecer do fraco desempenho nas paradas de sucessos e o nipe dos fãs.  Tá! Tem algumas bandas que não merecem fazer parte da lista, mas tem outras…Enfim, segue o top.
1. Jonas Brothers
2. brokeNCYDE
3. Blazin’ Squad
4. Tokio Hotel
5. Scouting For Girls
6. Busted
7. Towers Of London
8. The Script
9. Metro Station
10. One True Voice
11. Hot Leg
12. The Twang
13. I Set My Friends On Fire
14. Theory Of A Deadman
15. Razorlight
16. Hard-Fi
17. Maroon 5
18. The Pigeon Detectives
19. Sum 41
20. The Darkness

O conceituado site Gigwise fez uma justa lista com as 20 piores bandas da década atual. Entre os nomes que figuram na parada estão Jonas Brothers, Tokio Hotel, The Script, Sum 41 e The Darkness.

tokio-hotel-jonas-brothersO trio Jonas Brothers e a turma do Tokio Hotel: Eles estão entre os piores grupos

As justificativas vão desde o vocalista chato a pior vestuário, passando também por letras ridiculas e melodias repetitivas. Sem esquecer do fraco desempenho nas paradas de sucessos e o nipe dos fãs.  Tá! Tem algumas bandas que não merecem fazer parte da lista, mas tem outras…Enfim, segue o top.

1. Jonas Brothers
2. brokeNCYDE
3. Blazin’ Squad
4. Tokio Hotel
5. Scouting For Girls
6. Busted
7. Towers Of London
8. The Script
9. Metro Station
10. One True Voice
11. Hot Leg
12. The Twang
13. I Set My Friends On Fire
14. Theory Of A Deadman
15. Razorlight
16. Hard-Fi
17. Maroon 5
18. The Pigeon Detectives
19. Sum 41
20. The Darkness

Ok, não concordamos com as presenças de Darkness (“estilo” do ex-vocal Justin Hawkins), Sum 41 (encontrou a fórmula do sucesso e desde então vive de repeti-la), Pigeon Detective (além de serem uma cópia dos Strokes, têm o pior nome de banda da década), Maroon 5 (banda chata, com letras grudentas e vocalista sendo assediado o tempo todo pelas fãs), Hard-Fi (as letras falam de coisas reais e não combinam com os encartes dos discos) e Razorlight (o frontman Johnny Borell é muito egocêntrico; é o “Sting da década”), principalmente por causa das justificativas descabidas, que você leu aí entre parênteses.

Se quiser conferir todas as justificativas, em inglês, visite o site do Gigwise. Se não gostou da lista ou se tiver mais alguém para acrescentar, deixe seu comentário. Quem sabe no final do ano a gente também não prepara uma listinha cabulosa de bandas ruins?

Para tuitar: http://wp.me/pdGj4-El

A rapaziada gente fina (muito 80’s isso) do Moptop marcou para o dia 26 de outubro, muito conhecido por aí como “segunda-feira que vem”, a gravação do novo clipe, Contramão, faixa do álbum Como se Comportar (Universal, 2008), que você confere a seguir, no extinto Código MTV:

O esquema é o seguinte: a gravação rola a partir das 20h, na Drinkeria Maldita em Copa (rua Aires Saldanha 98A, atrás da antiga Help) e quem quiser ir precisa ter 18 anos ou mais, mandar um e-mail para moptopclipe@gmail.com e, claro, tem que estar no Rio. O Moptop, aliás, tocou no fim de semana inaugural da Drinkeria, no dia 2 de maio, com direito a casa lotada, em plena noite de chuva. Eu fui, junto com outro GARI, e posso dizer que foi sensacional. Duvida? Então, dá uma olhada:

Tuíte-nos: http://wp.me/pdGj4-Eh